Mundo

2023 já está a caminho de ser o ano mais quente da história, diz pesquisa

Até o momento, 2016 e 2020 empataram como anos mais quente já registrados

Termômetro de rua mostra 44 graus Celsius durante uma onda de calor em Sevilha em 12 de julho de 2022

 (AFP/AFP)

Termômetro de rua mostra 44 graus Celsius durante uma onda de calor em Sevilha em 12 de julho de 2022 (AFP/AFP)

Bloomberg
Bloomberg

Agência de notícias

Publicado em 17 de julho de 2023 às 15h29.

Ondas de calor simultâneas estão sufocando os EUA, grande parte da Europa e partes da Ásia, enquanto o El Niño se intensifica no Oceano Pacífico e as águas do Atlântico que banham a Flórida atingem temperaturas sem precedentes de 32°C.

Isso já é o suficiente para colocar 2023 a caminho de se tornar o ano mais quente desde que os registros de temperatura global começaram a ser compilados no século XIX.

Desde outubro de 2019, a organização de pesquisa sem fins lucrativos Berkeley Earth analisa as temperaturas globais de cada mês e faz previsões para a classificação final do ano em termos de calor.

Sua última análise atribui “uma chance bastante alta – acima de 80% neste momento – de que 2023 seja o ano mais quente já registrado”, disse Zeke Hausfather, cientista climático da Berkeley Earth.

Os pesquisadores finalizarão as classificações anuais de temperatura em janeiro. Até o momento, 2016 e 2020 empataram como anos mais quente já registrados.

Para observadores climáticos de longa data, o ritmo vertiginoso de recordes de temperaturas de verão é um padrão sombrio há muito previsto e com poucas chances de ser quebrado.

“Eu esperava por isso há 20 anos”, diz Camille Parmesan, professora do Centro Nacional de Pesquisa Científica da França e autora do relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas. “Isso vai continuar acontecendo, já que não estamos reduzindo as emissões.”

Aquecimento da Terra

A Terra já se aqueceu em 1,2°C desde a era pré-industrial devido às crescentes emissões de gases de efeito estufa na atmosfera. Isso resultou em uma tendência clara: 22 dos últimos 23 anos foram os mais quentes de todos os tempos, de acordo com a NOAA, agência de monitoramento atmosférico e oceânico dos EUA.

A única maneira de interromper essa tendência, alertam os cientistas do clima repetidamente, é reduzir drasticamente e imediatamente os poluentes climáticos, principalmente por meio do fim do uso de combustíveis fósseis.

Um dos principais fatores que impulsionam a trajetória de calor sem precedentes deste ano é o El Niño, o primeiro em quase quatro anos. O Pacífico, onde o aquecimento das águas provoca o fenômeno climático, cobre um terço do planeta.

“Toda vez que temos um El Niño, temos uma pequena mostra de como será o futuro. Isso vai ser a nova norma para o clima em 5 a 10 anos se nossas emissões se mantiverem nos níveis atuais e não diminuírem rapidamente”, diz Hausfather. “Portanto, teremos temperaturas ligeiramente mais altas do que o normal neste ano e no próximo, mas a mudança climática de longo prazo levará rapidamente o planeta a esses níveis de calor o tempo todo.”

O agravamento das mudanças climáticas está aumentando a frequência e a intensidade de eventos climáticos extremos, e este verão no hemisfério norte, que começou no final do mês passado, não é exceção.

Ondas de calor assolaram o Japão, a Índia e os EUA, que também enfrentaram inundações devastadoras. A seca agora atinge a Europa, após o calor recorde da primavera no Mediterrâneo. O Canadá está lutando contra incêndios florestais fora de controle, que desencadearam ondas de fumaça perigosa sobre milhões de pessoas na América do Norte.

Os El Niños são apenas mais um tipo de evento extremo que também se intensificou nas últimas décadas devido às mudanças climáticas.

“Desde 1950, os El Niños têm sido significativamente mais fortes do que em qualquer período de 1400 a 1950”, diz Parmesan, citando um relatório global de 2021 que ela ajudou a escrever.

“Não tivemos um evento El Niño neste nível de aquecimento global”, diz Kim Cobb, cientista climático da Brown University. Realmente não sabemos o que está por vir, adverte Cobb, acrescentando que o El Niño está apenas começando “e a previsão é de que fique um pouco mais forte”.

Espera-se que ainda mais desastres ao longo do ano, ou, como diz Hausfather: “Muita coisa ruim”.

Acompanhe tudo sobre:ClimaCalorMudanças climáticas

Mais de Mundo

Chanceler da Rússia culpa Estados Unidos pela queda do helicóptero do presidente do Irã

Espanha anuncia que vai retirar embaixadora da Argentina; Milei considera decisão um 'disparate'

Em guerra com os ambientalistas, Japão lança novo 'navio-mãe' de caça às baleias

Justiça alemã inicia julgamento de suspeitos de planejar golpe de Estado

Mais na Exame