Mercado imobiliário

Meu vizinho faz festa com música alta todo final de semana, o dia inteiro. Ele pode?

Especialista responde dúvida de leitor sobre imóveis. Envie você também suas perguntas

Homem com dúvida: comprovado que o incômodo é muito além do aceitável, algumas medidas podem ser adotadas (benstevens/Getty Images)

Homem com dúvida: comprovado que o incômodo é muito além do aceitável, algumas medidas podem ser adotadas (benstevens/Getty Images)

Marília Almeida

Marília Almeida

Publicado em 1 de janeiro de 2023 às 10h00.

Pergunta do leitor: Tem uma casa em frente ao meu prédio que todo final de semana tem festa e música muito alta durante o dia todo. Fui falar com o dono do imóvel para abaixar um pouco o volume, porque tenho crianças pequenas e ele me disse que durante o dia ele pode colocar o volume que quiser. O que eu devo fazer?

Resposta de Marcelo Tapai*

Por lei, é direito do proprietário de um imóvel dele usufruir da forma que melhor atenda suas necessidades.
Ocorre, porém, que o exercício desse direito não pode interferir em outro direito fundamental, qual seja, o de qualquer cidadão não ser incomodado pelo imóvel vizinho.
É evidente que a vida em grandes cidades exige maior flexibilidade daqueles que habitam a vizinhança, além da necessária razoabilidade.

Ou seja, é permitido a um vizinho realizar festas no seu imóvel, o que certamente provoca ruídos além dos habituais. Se essas festas forem esporádicas, não é razoável que se tente impedi-las.

Há a crença que o silêncio deve ser respeitado depois das 22h e durante o dia o barulho é livre. Esse entendimento é equivocado e, mesmo durante o dia, há limites estabelecidos pela Lei do Silêncio para a produção de ruído.

Comprovado que o incômodo é muito além do aceitável, algumas medidas podem ser adotadas.

Claro que nessas situações, o primeiro passo é tentar resolver a situação de forma amistosa com uma boa conversa.

Caso a medida não surta os efeitos desejados, o comparecimento à uma delegacia para a elaboração de um boletim de ocorrência ou o acionamento da Polícia Militar são as primeiras medidas a serem adotadas.

Se mesmo assim o problema persistir, a solução é procurar um advogado para que sejam adotadas as medidas necessárias, como por exemplo, o envio de uma Notificação Extrajudicial antes de ingressar com uma ação judicial.

*Marcelo Tapai é advogado, professor de Direito e diretor do Brasilcon (Instituto Brasileiro de Política e Direito do Consumidor). Especialista em Direito Imobiliário, Contratual e do Consumidor, é autor de livros, palestrante, autor da cartilha do Procon de orientações para compra de imóveis novos e usados, membro do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (IDEC), e foi vice-presidente da Comissão Permanente de Defesa do Consumidor da OAB/SP. Também é bacharel em Comunicação Social.

Acompanhe tudo sobre:aluguel-de-imoveisCondomíniodicas-de-financas-pessoaisguia-de-imoveisMercado imobiliário

Mais de Mercado imobiliário

Preços de imóveis sobem além do valor real em junho; entenda o porquê

Como é morar na Vila Guilherme? Conheça a história do bairro

Como é morar na Berrini? Conheça melhor o bairro

Esta capital do Nordeste liderou aumento nos preços de aluguel em maio; entenda o porquê

Mais na Exame