Acompanhe:
seloMercado imobiliário

O home office continua a agradar? Pesquisa retrata o quadro atual

Levantamento aponta que 35% das pessoas estão insatisfeitas com o local onde vivem — e por culpa do trabalho remoto

Modo escuro

Continua após a publicidade
Home office: levantamento mostra que 60% dos entrevistados têm planos de mudar de endereço nos próximos 12 meses (sanjeri/Getty Images)

Home office: levantamento mostra que 60% dos entrevistados têm planos de mudar de endereço nos próximos 12 meses (sanjeri/Getty Images)

R
Redação

Publicado em 28 de outubro de 2021 às, 08h00.

Última atualização em 29 de outubro de 2021 às, 11h00.

Passados vinte meses desde o início da pandemia, algumas pessoas nem mais se recordam de como eram suas rotinas com o trabalho presencial. Imersos no home office desde então, inúmeros profissionais não pensam em retornar à realidade de antes, embora muitas companhias já tenham decretado que chegou a hora de voltar — não são poucas as que resolveram aderir a um regime híbrido.

Quem não se adaptou até aqui ao dia a dia longe do escritório costuma alegar as mais diversas razões, da saudade do convívio com os colegas à falta de horário definido para começar e terminar o expediente e às incessantes demandas dos filhos pequenos. Mas, via de regra, o principal motivo é a própria casa, incompatível com um home office digno do nome.

É o que concluiu uma pesquisa conduzida pela proptech aMora. O levantamento constatou que 58% dos clientes da empresa continuam a trabalhar de casa mesmo com o arrefecimento da pandemia. E que 66% desse grupo reportam uma mudança na relação com o imóvel onde vivem. Mas até aí, nenhuma surpresa.

O que chama atenção na pesquisa é a descoberta de que 35% das pessoas estão insatisfeitas com o próprio endereço e por culpa do trabalho remoto. Por outro lado, 40% daqueles que já estão saindo de casa para ganhar a vida se dizem felizes com o próprio teto.

Não à toa, mais de 60% dos participantes do levantamento disseram ter planos de mudar de endereço nos próximos 12 meses — o destino é um imóvel próprio. Alegaram questões financeiras para não fazer isso em menos tempo 44% dos entrevistados. E 38% sequer iniciaram a procura por um novo teto ou estão determinados a aguardar o fim da pandemia para pensar sobre o assunto.

Fundada em 2020, a aMora tem a meta de facilitar a vida de quem planeja trocar o aluguel pela casa própria. Funciona da seguinte maneira: depois de você escolher seu novo endereço, basta fazer um depósito para a companhia de 5% do valor dele. E já dá para se instalar no local.

Quem adquire a propriedade, na verdade, é a aMORA, para a qual é preciso pagar uma mensalidade que faz as vezes de entrada. Se você gostar do imóvel, daí pode arrematá-lo da proptech por um preço pré-combinado ao longo de três anos, mas isso é opcional.

Na prática, o morador pode testar a casa ou apartamento antes de bater o martelo. Caso decida não ficar com o imóvel, a poupança acumulada no período em que o ocupou volta para ele — daí resta para a empresa vender a propriedade para outro comprador. A companhia também oferece uma alternativa prática para quem está trocando de imóvel, pois permite que o antigo seja anunciado (e vendido com calma), enquanto o novo é adquirido.

“É uma maneira de sobrar dinheiro para outros planos e até para uma eventual reforma”, explica Aram Apovian, CEO e um dos fundadores da empresa. “Você constrói a sua poupança enquanto mora no imóvel. E não precisa esperar entrega de obra, nem ficar na dependência de sorteio”.

Convém lembrar que o atual contexto não está muito favorável para quem mora de aluguel. Principal indicador de referência para reajuste de contratos do tipo, o IGP-M disparou nos últimos meses (culpa da escalada do dólar, da covid-19, de desajustes no setor industrial e até da crise hídrica). No ciclo de 12 meses encerrado em setembro, o índice acumula alta de 24,86%. Em setembro de 2020, o acumulado era de 17,94% nos 12 meses anteriores.

Por outro lado, está cada vez mais caro adquirir imóveis novos. “A escassez global de matéria prima, sobretudo de aço, está impulsionando os preços para cima”, observa Eduardo Zagonel Neves, COO do banco Bari, sediado em Curitiba, no Paraná.

Outra explicação é o apetite dos bancos em financiar a construção de cada vez mais novos empreendimentos”. Já os imóveis usados seguem com valores não muito diferentes de anos recentes. “A defasagem entre novos e usados tende a ser corrigida em breve”, acredita Zagonel.

Últimas Notícias

Ver mais
Quem são os donos dos prédios mais caros da Faria Lima?
seloMercado imobiliário

Quem são os donos dos prédios mais caros da Faria Lima?

Há um dia

Qual cidade cobra mais caro na taxa de condomínio? Veja lista da Loft
seloMercado imobiliário

Qual cidade cobra mais caro na taxa de condomínio? Veja lista da Loft

Há um dia

Uliving abre novo ciclo de investimento em moradia estudantil, com plano de R$ 450 mi
seloMercado imobiliário

Uliving abre novo ciclo de investimento em moradia estudantil, com plano de R$ 450 mi

Há 2 dias

Um herdeiro pode impedir a venda de um imóvel?
seloMercado imobiliário

Um herdeiro pode impedir a venda de um imóvel?

Há 4 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais