Invest

“Você mora em Pindamonhangaba”, mas seus gastos não

Não importa de onde você seja, a dolarização dos seus investimentos pode oferecer proteção ao poder de compra

No contexto de investimentos, os ETFs (Exchange-Traded Funds) surgem como uma alternativa acessível e diversificada para os investidores interessados em proteger seu poder de compra através de investimentos em dólar. (ArLawKa AungTun/Getty Images)

No contexto de investimentos, os ETFs (Exchange-Traded Funds) surgem como uma alternativa acessível e diversificada para os investidores interessados em proteger seu poder de compra através de investimentos em dólar. (ArLawKa AungTun/Getty Images)

Paula Zogbi
Paula Zogbi

Colunista

Publicado em 12 de junho de 2024 às 10h00.

Uma vez, nas redes sociais, vi o seguinte comentário em uma publicação sobre investimentos dolarizados: “querida, você é de Pindamonhangaba, não precisa disso”. Apesar do tom cômico, essa é realmente uma das ideias mais erroneamente difundidas sobre o tema - a de que brasileiros não precisam se expor ao exterior, porque isso supostamente não faria parte da nossa realidade.

Na verdade, todos nós estamos diretamente expostos ao dólar, e investimentos dolarizados podem ser uma maneira de buscar maior proteção ao nosso poder de compra. Isso porque existe uma relação direta entre os preços no Brasil e o valor da moeda americana. Com uma parte significativa dos produtos consumidos no país sendo importados ou influenciados por preços denominados em dólares, como é o caso de eletrônicos e commodities (inclusive o trigo do nosso pão), as variações cambiais têm um impacto direto no bolso do consumidor.

Com isso, a dolarização dos investimentos oferece uma forma de mitigar os riscos associados à inflação, tanto no Brasil quanto nos Estados Unidos. Acompanhar os dados de inflação de ambos os países é crucial, pois isso orienta as políticas monetárias e afeta diretamente o custo de capital, a rentabilidade dos ativos e a atividade econômica em geral.

No contexto de investimentos, os ETFs (Exchange-Traded Funds) surgem como uma alternativa acessível e diversificada para os investidores interessados em proteger seu poder de compra através de investimentos em dólar. Os ETFs de renda fixa, por exemplo, investem em títulos do governo americano, considerados os mais seguros do mundo pelas agências de classificação de risco (baixo risco de crédito), podem oferecer uma proteção contra a volatilidade do mercado e uma fonte de renda estável por meio de pagamentos de juros.

Para aqueles que buscam uma maior exposição ao mercado de ações, os ETFs que replicam os principais índices acionários dos EUA, como o S&P 500, Nasdaq e Dow Jones, permitem que os investidores participem do crescimento das empresas globais e, ao mesmo tempo, se beneficiem da valorização do dólar em relação ao real. Esse efeito também pode ser capturado investindo em ativos selecionados, como ações e REITs, sempre observando o seu perfil de investidor e equilibrando a alocação de acordo com ele.

Acompanhe tudo sobre:branded-contentInvestir Nomad

Mais de Invest

CSU Digital (CSUD3) paga JCP nesta quinta-feira; veja se você tem direito

CPI dos EUA, vendas do varejo e repercussão de reforma tributária: o que move o mercado

Como um fundo gerido por robôs tem superado a crise dos multimercados

Nikkei atinge marca histórica em meio a otimismo com juros nos EUA

Mais na Exame