Acompanhe:

Tesouro Direto emite novos títulos nesta quarta-feira

Tesouro vai deixar de negociar alguns papéis e oferecer novos, com vencimentos diferentes

Modo escuro

Continua após a publicidade
Tesouro Direto: títulos com vencimento em 2019 e 2021 serão substituídos por outros (./Divulgação)

Tesouro Direto: títulos com vencimento em 2019 e 2021 serão substituídos por outros (./Divulgação)

E
Estadão Conteúdo

Publicado em 8 de fevereiro de 2017 às, 08h37.

São Paulo - Nesta quarta-feira, 8, o Tesouro Direto fará uma alteração na sua prateleira de títulos públicos ofertados, deixando de vender alguns e oferecendo novos no mercado, com datas de vencimento diferentes.

Títulos públicos são ativos de renda fixa emitidos pelo Tesouro Nacional para financiar a dívida pública do País. Ao comprar um título público, é como se o investidor estivesse emprestando dinheiro ao governo - e recebendo juros por isso.

Há diferentes tipos de título: os prefixados, os atrelados à inflação e os atrelados à taxa Selic. Há ainda, dentro de um mesmo tipo de título, diferentes datas de vencimento - e é para ajustar esses prazos que o governo muda anualmente o portfólio de títulos disponíveis.

Deixaram de ser vendidos os títulos Tesouro Prefixado 2019, Tesouro Selic 2021 e Tesouro IPCA+ 2019 e passam, agora, a ser vendidos Tesouro Prefixado 2020, Tesouro Selic 2023 e Tesouro IPCA+ 2045.

O destaque da nova onda de emissões é o Tesouro IPCA+ 2045, com vencimento em 15/05/2045. Até agora, o título mais longo disponível para comercialização pelo Tesouro era o IPCA+ 2035.

Esse tipo de título, de longo prazo, protege o investidor da inflação, já que rende ao ano o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) mais uma taxa contratada no momento da compra - atualmente, na faixa dos 5,5%.

Por garantir ganho real independentemente do cenário econômico das próximas décadas, esse papel pode ser utilizado como uma boa opção de investimento para a aposentadoria, ainda mais com o rombo do INSS e as incertezas quanto à reforma da Previdência.

Perguntas e respostas

Por que há essa mudança nos títulos ofertados?

Todo ano, o Tesouro direto atualiza o rol de títulos disponíveis para garantir que o prazo de vencimento seja sempre superior a dois anos. Isso porque, ao completar dois anos, incide sobre o investimento a menor alíquota de imposto de renda, que é de 15%, estimulando o investir a olhar para o longo prazo. Dessa forma, o governo preserva o prazo de referência dos títulos, deixando-os com vencimentos semelhantes ao longo dos anos.

Tenho um título que deixará de ser vendido. E agora?

Você tem na carteira algum dos títulos que sairão de circulação? Não se preocupe: não há nenhum prejuízo para os investidores. A partir desta quarta-feira, eles deixarão de ser comercializados na plataforma do Tesouro, mas os que já foram adquiridos continuarão valendo e rendendo normalmente até a data do seu vencimento. Você pode resgatá-los no momento que desejar ou aguardar até a data do vencimento. Lembrando que, no caso dos títulos prefixados ou atrelados à inflação, o investidor que resgatar antes do vencimento venderá o papel ao valor de mercado do dia- ou seja, corre o risco de perder dinheiro. Já no Tesouro Selic, com rendimento diário e mais liquidez, o investidor não corre o risco de perder dinheiro caso precise resgatar no curto prazo. E atenção: nesse caso, mesmo com incidência de uma alíquota maior do imposto de renda, o investimento em Tesouro Selic ainda é mais vantajoso que na poupança.

Tenho compras agendadas de um título que vai sair de circulação. O que fazer?

Como esse título deixará de ser vendido, é preciso atualizar o seu planejamento financeiro e reprogramar o investimento para um título equivalente, conforme o seu objetivo. Troque, por exemplo, o Tesouro Selic 2021 pelo Tesouro Selic 2023, ou o Tesouro Prefixado 2019 pelo Tesouro Prefixado 2020. Vale lembrar que, no site do Tesouro Direto, e no da maioria das corretoras, é possível agendar facilmente as compras mensais de títulos públicos, o que economiza tempo para o investidor, além de ser uma boa alternativa para garantir a disciplina financeira. O investimento mínimo é de apenas R$ 30.

Últimas Notícias

Ver mais
CNSP aprimora regulamentação de planos de previdência complementar aberta
seloMinhas Finanças

CNSP aprimora regulamentação de planos de previdência complementar aberta

Há 17 horas

MEI precisa declarar Imposto de Renda (IR)? Entenda
seloMinhas Finanças

MEI precisa declarar Imposto de Renda (IR)? Entenda

Há 17 horas

Mega-Sena acumulada: quanto rendem R$ 87 milhões na poupança
seloMinhas Finanças

Mega-Sena acumulada: quanto rendem R$ 87 milhões na poupança

Há 22 horas

Leilão de itens usados em apartamentos decorados tem lances a partir de R$ 50; veja como participar
seloMinhas Finanças

Leilão de itens usados em apartamentos decorados tem lances a partir de R$ 50; veja como participar

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais