Minhas Finanças

Sem grau de investimento, dólar segue valorizado ante real

A perda do selo de pagador por uma segunda agência de risco pode representar uma queda no investimento estrangeiro direto e no investimento em carteira


	Notas de dólar: a consultoria MCM avalia que a notícia deve impulsionar novas saídas de recursos estrangeiros da economia local
 (Adam Gault/Thinkstock)

Notas de dólar: a consultoria MCM avalia que a notícia deve impulsionar novas saídas de recursos estrangeiros da economia local (Adam Gault/Thinkstock)

DR

Da Redação

Publicado em 16 de dezembro de 2015 às 19h36.

Após a agência de classificação de risco Fitch retirar hoje o grau de investimento do Brasil, com um corte da nota soberana do país, a consultoria MCM avalia que a notícia deve impulsionar novas saídas de recursos estrangeiros da economia local, além da manutenção da valorização do dólar. A nota do Brasil passou de BBB- para BB+.

Nesse momento, na visão dos analistas da casa, a perda do selo de pagador por uma segunda agência de risco pode representar uma queda no investimento estrangeiro direto e no investimento em carteira.

Para eles, a presença dos investidores internacionais deverá recuar de US$ 60 bilhões em 2015 para cerca de US$ 45 bilhões até dezembro do ano que vem. Já o investimento em carteira, que somou US$ 30 bilhões este ano, poderá cair para US$ 10 bilhões em 2016.

Em relatório, a MCM aponta que os efeitos negativos sobre esse fluxo de investimentos devem ser vistos no início do próximo ano, em compasso de espera de que a Moody’s também retire o grau de investimento do país em breve, também com perspectiva negativa.

A Standard & Poor’s retirou a nota do Brasil em setembro último.

Acompanhe tudo sobre:Agências de ratingCâmbioDólarEmpresasFitchMoedasStandard & Poor's

Mais de Minhas Finanças

Mega-Sena acumulada: quanto rendem R$ 86 milhões na poupança

Receita libera consulta ao segundo lote do IR 2024; veja quando a restituição será depositada

Veja o resultado da Mega-Sena, concurso 2739; prêmio acumulado é de R$ 58,9 milhões

Extratos bancários serão padronizados a partir de julho; veja o que muda

Mais na Exame