Minhas Finanças

Segunda parcela do 13º salário deve ser paga nesta sexta-feira

É decisão do empregador pagar o 13º salário em duas parcelas ou em parcela única

13º salário: têm direito ao 13º salário os trabalhadores da iniciativa privada ou do setor público (DircinhaSW/Getty Images)

13º salário: têm direito ao 13º salário os trabalhadores da iniciativa privada ou do setor público (DircinhaSW/Getty Images)

Karla Mamona

Karla Mamona

Publicado em 20 de dezembro de 2019 às 05h34.

Última atualização em 20 de dezembro de 2019 às 09h40.

São Paulo — As empresas têm até esta sexta-feira (20) para pagar a segunda parcela do 13º salário aos empregados. A primeira parcela deveria ter sido paga até 30 de novembro. Cada parcela representa a metade do salário que o trabalhador recebe, com base na remuneração de dezembro.

Na primeira parcela, não há nenhum tipo de desconto, então o trabalhador recebe 50% do seu salário atual. Já sobre a segunda parcela da gratificação há descontos do imposto de renda e INSS

É decisão do empregador pagar o 13º salário em duas parcelas ou em parcela única. Caso tenha optado pelo pagamento da gratificação em parcela única, ela deveria ter sido paga até o dia 30 de novembro —se o empregador fizer o pagamento total apenas em dezembro, pode ser multado.

Quem não receber o 13º salário ou alguma das parcelas deve procurar as Superintendências ou Gerências do Trabalho para fazer uma reclamação formal, ou ainda o sindicato de sua categoria. O auditor-fiscal do Ministério do Trabalho pode autuar o empregador devedor no caso de fiscalização.

A estimativa do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) é que o pagamento do 13º salário injete ao menos 214 bilhões de reais na economia brasileira.

Quem tem direito ao 13º

Têm direito ao 13º salário os trabalhadores da iniciativa privada ou do setor público, em área urbana ou rural, avulsos e domésticos, bem como os pensionistas e aposentados do INSS —nesse último caso, o pagamento da segunda parcela já foi realizado, respeitando um calendário que começou em 25 de novembro.

Está previsto na Lei 4.749/1965 que todo trabalhador que atuou por pelo menos 15 dias durante o ano e que não tenha sido demitido por justa causa tem direito ao 13º salário. Se você trabalhou por menos de um ano, tem direito à gratificação proporcional ao período trabalhado. Por exemplo, quem trabalhou por quatro meses e 15 dias no ano, tem direito a 5/12 do salário como 13º.

Entram no cálculo do 13º ainda as comissões, gorjetas, horas extras e adicionais noturno, de insalubridade e de periculosidade. Por outro lado, podem ser descontados do valor da gratificação as faltas não justificadas do funcionário. Se houve mais de 15 faltas não justificadas no mês, você perderá 1/12 do 13º salário.

Quem está em licença-maternidade também recebe o 13º salário integral, se a funcionária tiver sido contratada há mais de um ano, ou proporcional, se foi contratada no decorrer do ano. Já quem está afastado do trabalho por auxílio-doença recebe a gratificação proporcional até os primeiros 15 dias de afastamento. Depois disso, quem paga o 13º proporcional é o INSS. Também recebem o 13º salário proporcional da empresa os trabalhadores temporários, conforme a quantidade de meses trabalhados.

 

Acompanhe tudo sobre:13-salárioCLTDieeseDireitoINSSSalários

Mais de Minhas Finanças

Mega-Sena: aposta de Ponta Grossa, no Paraná, leva prêmio acumulado de R$ 114 milhões

Veja o resultado da Mega-Sena, concurso 2734; prêmio acumulado é de R$ 112 milhões

Caixa abre cadastro de imóveis para compra pelo governo e doação ao RS

Mega-Sena sorteia neste sábado prêmio acumulado em R$ 112 milhões

Mais na Exame