Minhas Finanças

Receita abre amanhã consulta a lotes da malha fina do IR

Serão pagos R$ 401 milhões para 142,6 mil contribuintes que estavam na malha fina das declarações de 2008 a 2018, mas regularizaram pendências com o Fisco

Receita Federal: Restituições têm correção de acordo com a taxa Selic (Receita Federal/Reprodução)

Receita Federal: Restituições têm correção de acordo com a taxa Selic (Receita Federal/Reprodução)

AB

Agência Brasil

Publicado em 7 de fevereiro de 2019 às 19h32.

A Receita Federal abre nesta sexta (8) consulta ao lote residual de restituição do Imposto de Renda Pessoa Física de fevereiro. Ao todo, serão desembolsados R$ 401 milhões para 142,6 mil contribuintes que estavam na malha fina das declarações de 2008 a 2018, mas regularizaram as pendências com o Fisco.

A lista com os nomes estará disponível a partir das 9h no site da Receita na internet. A consulta também pode ser feita pelo Receitafone, no número 146. A Receita oferece ainda aplicativo para tablets e smartphones, que permite o acompanhamento das restituições.

As restituições terão correção de 5,68%, para o lote de 2018, a 107,8% para o lote de 2008. Em todos os casos, os índices têm como base a taxa Selic (juros básicos da economia) acumulada entre a entrega da declaração até este mês.

O dinheiro será depositado nas contas informadas na declaração no próximo dia 15. O contribuinte que não receber a restituição deverá ir a qualquer agência do Banco do Brasil ou ligar para os telefones 4004-0001 (capitais), 0800-729-0001 (demais localidades) e 0800-729-0088 (telefone especial exclusivo para deficientes auditivos) para ter acesso ao pagamento.

Acompanhe tudo sobre:Imposto de Renda 2020Malha finareceita-federal

Mais de Minhas Finanças

‘Independência financeira liberta’: Women in Finance discute gestão patrimonial para mulheres

Quina de São João: veja os números mais sorteados da história

Caixa anuncia novos pagamentos do auxílio reconstrução às famílias do RS; veja como sacar R$ 5,1 mil

O que são 'grupos de poupança' coreanos? Tipo de financiamento é comum em várias parte dos mundo

Mais na Exame