Acompanhe:

Meu marido está desempregado. Se eu me separar, pago pensão?

Especialista responde se cônjuge pode ser obrigado a pagar pensão a companheiro que esteja desempregado no momento do divórcio

Modo escuro

Continua após a publicidade

	Casal em conflito: especialista responde se cônjuge pode ser obrigado a pagar pensão a companheiro que esteja desempregado no momento do divórcio
 (AnaBGD/Thinkstock)

Casal em conflito: especialista responde se cônjuge pode ser obrigado a pagar pensão a companheiro que esteja desempregado no momento do divórcio (AnaBGD/Thinkstock)

E
Editada por Marília Almeida

Publicado em 24 de fevereiro de 2016 às, 11h27.

Dúvida do internauta: Sou casada desde 2011, mas já morava com o meu esposo desde 2002. Em 2012 ele perdeu o emprego e desde então está sem trabalho. Eu sou funcionária de uma empresa desde 2009. Gostaria de saber se eu seria obrigada a pagar pensão para o meu marido se nos separássemos hoje.

Resposta.de Rodrigo Barcellos*

A pensão alimentar em favor do cônjuge tem por fundamento o dever de mútua assistência e solidariedade. Assim, basta que um demonstre a necessidade do benefício para que haja a possibilidade de que o companheiro seja obrigado a pagar a pensão.

O desemprego é, sem dúvida nenhuma, uma situação em que há a hipótese de necessidade alimentar.

Contudo, sempre que houver alguma alteração no padrão de vida de quem paga ou de quem recebe a pensão, o outro poderá pedir a suspensão do pagamento do benefício.

Importante relembrar, ainda, que a jurisprudência moderna tem entendido que a pensão alimentar devida ao ex-parceiro deve ser paga por tempo limitado.

Assim, a pensão deve ser paga apenas por tempo suficiente para que quem recebe o benefício possa se reestabelecer, adaptando-se à realidade que a ruptura do relacionamento lhe impôs, conforme decisão da Ministra Relatora Nancy Andrighi, do Superior Tribunal de Justiça, no Recurso Especial nº 1.396.957.

O Ministro Luis Felipe Salomão, também do Superior Tribunal de Justiça, ratificou tal posicionamento em julgamento do dia 8 de maio de 2015. Ele destacou que a obrigação de pensão alimentar para ex-cônjuges vem sendo considerada uma exceção, incidente apenas “nas hipóteses em que o ex-parceiro (...) não dispõe de reais condições de readquirir sua autonomia financeira”. No caso em questão, a Turma Julgadora decidiu estabelecer o prazo de dois anos para a suspensão definitiva do pagamento da pensão.

Ou seja, existe a possibilidade de você ter de pagar uma pensão ao seu marido, caso o casamento seja rompido, mas tal obrigação deve ser fixada por tempo limitado.

*Rodrigo Barcellos é graduado em direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC) e mestre em direito comercial, pela Universidade de São Paulo (USP). É autor do livro "O Contrato de Shopping Center e os Contratos Atípicos Interempresariais", publicado pela editora Atlas. Sócio do escritório Barcellos Tucunduva Advogados, atua nas áreas de Família, Sucessão, Contratos e Contencioso.

Envie suas dúvidas sobre planejamento financeiro, investimentos e herança para seudinheiro_exame@abril.com.br.

Últimas Notícias

Ver mais
Uma moradia ou um imóvel?
seloInvest Opina

Uma moradia ou um imóvel?

Há uma semana

Quase metade dos casamentos no Brasil não duram mais de dez anos, aponta IBGE
Brasil

Quase metade dos casamentos no Brasil não duram mais de dez anos, aponta IBGE

Há 3 semanas

Número de divórcios no Brasil bate recorde e chega a 420 mil, mostra IBGE
Brasil

Número de divórcios no Brasil bate recorde e chega a 420 mil, mostra IBGE

Há 3 semanas

Número de casamentos entre pessoas do mesmo sexo bate recorde e cresce 19,8% no Brasil, mostra IBGE
Brasil

Número de casamentos entre pessoas do mesmo sexo bate recorde e cresce 19,8% no Brasil, mostra IBGE

Há 3 semanas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais