• AALR3 R$ 20,29 0.74
  • AAPL34 R$ 67,40 -2.05
  • ABCB4 R$ 16,73 -0.18
  • ABEV3 R$ 14,19 0.78
  • AERI3 R$ 3,63 -6.20
  • AESB3 R$ 10,65 -2.92
  • AGRO3 R$ 31,09 0.61
  • ALPA4 R$ 20,82 0.29
  • ALSO3 R$ 19,15 -1.64
  • ALUP11 R$ 27,31 0.52
  • AMAR3 R$ 2,40 -2.83
  • AMBP3 R$ 30,55 -1.99
  • AMER3 R$ 22,85 -5.07
  • AMZO34 R$ 63,86 -2.50
  • ANIM3 R$ 5,36 -3.42
  • ARZZ3 R$ 79,90 0.49
  • ASAI3 R$ 15,91 0.25
  • AZUL4 R$ 20,78 -5.37
  • B3SA3 R$ 12,02 -0.66
  • BBAS3 R$ 37,75 -0.57
  • AALR3 R$ 20,29 0.74
  • AAPL34 R$ 67,40 -2.05
  • ABCB4 R$ 16,73 -0.18
  • ABEV3 R$ 14,19 0.78
  • AERI3 R$ 3,63 -6.20
  • AESB3 R$ 10,65 -2.92
  • AGRO3 R$ 31,09 0.61
  • ALPA4 R$ 20,82 0.29
  • ALSO3 R$ 19,15 -1.64
  • ALUP11 R$ 27,31 0.52
  • AMAR3 R$ 2,40 -2.83
  • AMBP3 R$ 30,55 -1.99
  • AMER3 R$ 22,85 -5.07
  • AMZO34 R$ 63,86 -2.50
  • ANIM3 R$ 5,36 -3.42
  • ARZZ3 R$ 79,90 0.49
  • ASAI3 R$ 15,91 0.25
  • AZUL4 R$ 20,78 -5.37
  • B3SA3 R$ 12,02 -0.66
  • BBAS3 R$ 37,75 -0.57
Abra sua conta no BTG

Demanda por crédito desacelera e sobe 3% em setembro, aponta INDC

A busca por financiamento no Brasil subiu pelo quinto mês seguido em setembro, porém em menor intensidade em relação a agosto
 (Exame/EXAME)
(Exame/EXAME)
Por Estadão ConteúdoPublicado em 24/10/2021 12:02 | Última atualização em 24/10/2021 12:02Tempo de Leitura: 3 min de leitura

A busca por financiamento no Brasil subiu pelo quinto mês seguido em setembro, porém em menor intensidade em relação a agosto. O Índice Neurotech de Demanda por Crédito (INDC), que mede mensalmente o número de solicitações no varejo, bancos e serviços, subiu 3% no nono mês de 2021, depois de avançar 11% no mês anterior.

O único segmento a apresentar resultado negativo foi o do varejo com declínio de 4% no volume de pedidos. "É preciso lembrar que setembro tem menos dias úteis que agosto", pondera o diretor executivo da Neurotech, Breno Costa.

Enquanto isso, o destaque positivo ficou por conta dos serviços, com acréscimo de 25% e o segmento de bancos e financeiras ficou praticamente estável (alta de 2%).

Apesar de manter o interesse por crédito em alta, o consumidor brasileiro dá sinais de que irá privilegiar gastos em áreas essenciais enquanto espera que as recentes incertezas em relação à economia e a questões sanitárias sejam resolvidas, segundo a Neurotech.

Destaques

O estudo mostra que, ao analisar individualmente as subcategorias do setor varejista, a escolha das pessoas por gastos em áreas consideradas essenciais fica evidente. A busca por crédito nas categorias de móveis e de eletrodomésticos apresentaram queda de 70% e 32%, respectivamente.

Na direção contrária, os pedidos de empréstimos para compras em supermercados somaram o maior crescimento do ano, com expansão de 119% acima do acumulado até agosto.

O executivo da Neurotech não vê atipicidade no desempenho do indicador. Segundo Costa, nos meses anteriores o INDC registrou a recuperação do ritmo natural de demanda por crédito que havia antes da pandemia de covid-19. Em sua avaliação, como as necessidades "mais urgentes" represadas durante o período de confinamento foram sanadas, é natural que haja um movimento na direção da neutralidade. Neste sentido, entende que os investimentos serão direcionados a apenas em itens essenciais, "enquanto as pessoas esperam sinais mais claros sobre os rumos da economia nos próximos meses."

Acumulado

Em análise anual, setembro de 2021 acumulou um volume 8% superior ao registrado no mesmo período do ano passado. Neste sentido, o setor de serviços aparece como o mais importante motivador de pedidos, tendo sido responsável por 42% a mais neste ano contra 2020. O segundo melhor desempenho foi o do varejo (11%), enquanto os empréstimos pedidos em bancos ou financeiras ficaram apenas 2% acima do montante acumulado 12 meses atrás.