Invest

Crédito pessoal: quais bancos oferecem os empréstimos mais baratos (e mais caros)

Banrisul é banco que oferece o menor custo na linha de crédito pessoal. Losango, o maior

Dinheiro: banco Banrisul oferece taxas mais baixas em todas as simulações da pesquisa da Proteste (RafaPress/Getty Images)

Dinheiro: banco Banrisul oferece taxas mais baixas em todas as simulações da pesquisa da Proteste (RafaPress/Getty Images)

O banco Banrisul oferece o crédito pessoal mais barato entre 14 bancos analisados em uma pesquisa da Associação Nacional de Consumidores, a Proteste.

O levantamento comparou o Custo Efetivo Total anual (CET) de cada empréstimo. É esse valor que indica se um crédito é de fato mais barato ou mais caro, pois inclui todos os encargos, tributos, taxas e despesas da operação.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia

Na pesquisa, foram criados quatro cenários: de R$ 3 mil e R$ 6 mil, com parcelamento de 12 e 18 vezes. Em todos, houve uma grande variação do CET.

No empréstimo de R$ 3 mil, em 12 vezes, no Banrisul os juros eram de 46,85% ao ano, enquanto no Simplic, 466,01% a.a. Isso significa que o consumidor pagaria, no final de 12 meses, R$ 3.671,64 e R$ 6.795,24, respectivamente.

Para o mesmo valor dividido em 18 parcelas, o CET ficava 47,34% ao ano no Banrisul e 401,83% ao ano na Losango. Ou seja, o valor total sairia R$ 4.020,66 no Banrisul e R$ 8.528,04 na Losango. Ou seja, quem optasse pela Losango pagaria mais que o dobro do valor.

Na simulação do crédito de R$ 6 mil, em 12 vezes, o Banrisul apresentou o menor CET: 46,85%, enquanto a Portocred apresentou o maior CET (409,58% ao ano).

Já em um empréstimo de 18 meses, o total ficaria em R$ 8.041,14 no Banrisul (47,34% ao ano) e R$ 16.597,08 na Losango (376,18% ao ano).

Vilão do endividamento

Cartões de créditos (72%), desemprego (42%) e o crédito pessoal (36%) foram apontados como "vilões" do endividamento, segundo uma pesquisa da Proteste (Associação Brasileira de Defesa ao Consumidor)

Muitos brasileiros recorrem a linhas de crédito pessoal por ser de "contratação rápida e pouco burocrática", segundo Rodrigo Alexandre, especialista da Proteste. Mas é necessária muita atenção.

A dica dada pelo especialista é fazer uma pesquisa, comparar o valor do CET  e escolher o menor.  Mas mesmo com juros mais baixos o crédito deve ser usado de forma consciente e as parcelas de pagamento não podem comprometer mais de 30% do rendimento mensal, ressalta Alexandre.

Como funciona o crédito pessoal

Para contratar o crédito pessoal, basta solicitar o valor desejado, passar pela análise de crédito da instituição financeira, aguardar a aprovação e depois, a liberação do dinheiro.

Diferentemente do financiamento de imóveis ou carros, a instituição financeira não precisa saber para que o valor do crédito será utilizado. E o prazo para a quitação pode variar de de 12 a 60 meses.

“A indicação é evitar o crédito pessoal ao máximo. Mas ele é uma boa opção se for para substituir uma dívida mais cara, como cartão de crédito ou cheque especial, que praticam os juros mais caros do mercado”, concluí Alexandre, especialista Proteste.

Tenha acesso agora a todos materiais gratuitos da EXAME para investimentos, educação e desenvolvimento pessoal

Acompanhe tudo sobre:CETcredito-pessoalDinheiroEmpréstimosProtesterenda-pessoal

Mais de Invest

Veja o resultado da Mega-Sena concurso 2752: prêmio acumulado é de R$ 58,1 milhões

Ações da Tesla caem no aftermarket após queda de 45% no lucro do 2º tri

Receita libera consulta ao 3º lote de restituição do IR 2024; veja como consultar

Como se tornar um trader? O que ele faz?

Mais na Exame