Acompanhe:

BB anuncia nova redução de taxas de juros para pessoas físicas e jurídicas

Na pessoa física, o destaque será a linha de cheque especial, cujo juro será reduzido em até 0,6 ponto porcentual (p.p.)

Modo escuro

Continua após a publicidade
Banco do Brasil: novas taxas praticadas pelo banco entram em vigor a partir da próxima segunda-feira, 21 (Ueslei Marcelino/Reuters)

Banco do Brasil: novas taxas praticadas pelo banco entram em vigor a partir da próxima segunda-feira, 21 (Ueslei Marcelino/Reuters)

Aline Bronzati, do Estadão Conteúdo

Publicado em 17 de maio de 2018 às, 19h17.

São Paulo - O Banco do Brasil anunciou nova redução de juros para pessoas físicas e jurídicas, conforme havia antecipado mais cedo, o presidente da instituição, Paulo Caffarelli.

Além de cortar suas taxas a despeito da manutenção da Selic por parte do Banco Central, o BB destaca, em nota à imprensa, que antecipou parte dos reflexos previstos após a implementação das ações de autorregulação do sistema financeiro para o cheque especial.

As novas taxas praticadas pelo BB entram em vigor a partir da próxima segunda-feira, 21. "Mesmo com a Selic estável, anunciamos hoje nova redução de taxas, o que estimula a concorrência saudável no sistema bancário e resulta em melhores condições para a contratação de crédito para os nossos clientes", destaca Caffarelli, em comunicado à imprensa.

Na pessoa física, o destaque será a linha de cheque especial, cujo juro será reduzido em até 0,6 ponto porcentual (p.p.), com taxas a partir de 1,99% ao mês e que variam conforme o perfil de relacionamento dos clientes com o banco.

Já os clientes pessoas jurídicas poderão ter taxas até 1,5 p.p. menor, ao mês, em diversas linhas, de acordo com o relacionamento comercial mantido com o BB e o faturamento da empresa.

O banco informa que reviu seus critérios de enquadramento dos correntistas, possibilitando que mais clientes que concentram seus negócios no BB tenham acesso às taxas mais baixas.

Na linha Giro Empresa, a taxa mínima passou de 1,72% para 1,48% ao mês, sendo que essa já está em vigor a partir desta quinta-feira, 17.

Mais cedo, o presidente do BB afirmou que o Banco Central foi "extremamente diligente tendo em vista o momento". A manutenção dos juros, conforme ele, não ameaça de forma alguma a recuperação do crédito no País.

"É uma retomada do crescimento (do crédito) com base em uma crise absolutamente grande, mas não tenho dúvida de que vamos continuar nesse processo de retomada", destacou Caffarelli, em conversa com a imprensa, explicando que, neste momento, há uma série de efeitos externos que estão afetando o País.

Na quarta-feira, 16, o Itaú Unibanco anunciou, logo após o término da reunião do Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom), que o juro médio cobrado no cheque especial reduzirá de 11,90% para 11,50% ao mês. O banco não mexeu, contudo, nas taxas mínimas cobradas.

Últimas Notícias

Ver mais
Os recados de Campos Neto: aumento de incertezas e o risco de fim do ciclo de queda de juros
Economia

Os recados de Campos Neto: aumento de incertezas e o risco de fim do ciclo de queda de juros

Há 16 horas

Ibovespa cai pelo 6º pregão seguido e tem maior sequência negativa em 9 meses
seloMercados

Ibovespa cai pelo 6º pregão seguido e tem maior sequência negativa em 9 meses

Há 20 horas

Livro-bege dos EUA, dólar, IBC-Br e Petrobras (PETR4): os assuntos que movem o mercado
seloMercados

Livro-bege dos EUA, dólar, IBC-Br e Petrobras (PETR4): os assuntos que movem o mercado

Há 22 horas

"Startup de 215 anos", Banco do Brasil vê Drex como "segundo passo para a bancarização"
Future of Money

"Startup de 215 anos", Banco do Brasil vê Drex como "segundo passo para a bancarização"

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais