Acompanhe:

Como a Receita está de olho no seu patrimônio pelas redes sociais

Flávio Vilela, diretor de fiscalização da Receita Federal, detalha que tipos de informações o Fisco busca no Facebook, YouTube e Instagram

Modo escuro

Continua após a publicidade
Redes sociais (./Getty Images)

Redes sociais (./Getty Images)

M
Marília Almeida

Publicado em 12 de abril de 2017 às, 05h00.

Última atualização em 12 de abril de 2017 às, 13h56.

São Paulo - O contribuinte declara que é dono de uma empresa que fatura 100 milhões de reais, mas posta fotos no Facebook participando de churrascos em uma comunidade. Outro nega ser o dono de uma empresa, mas aparece dando palestra para os funcionários em um vídeo no YouTube. Já outro nega ter qualquer vínculo com um "laranja", mas a ligação aparece em redes sociais, seja por meio de uma amizade ou fotos.

São esses tipos de informações que a Receita Federal busca na internet para verificar se as informações contidas na declaração do Imposto de Renda dos contribuintes são verdadeiras. "Agregamos pesquisas feitas pela internet e nas redes sociais a todas as informações que os auditores já têm, como documentos registrados em cartórios e extratos bancários", explica Flávio Vilela, diretor de fiscalização da Receita.

E cada vez mais essa coleta de dados é aprimorada. Por exemplo, esse será o primeiro ano que o Fisco irá utilizar inteligência artificial para checar dados informados pelos contribuintes na internet. O uso da ferramenta permitirá à Receita coletar uma quantidade maior de informações de forma automatizada, em complemento ao trabalho de auditores especializados nesse tipo de busca. "Vamos atingir pessoas que não conseguíamos atingir antes", conclui o diretor. A inteligência artificial já era usada para evitar sonegação de impostos nas operações de importação e exportação.

Engana-se quem pensa que essas pesquisas na internet feitas pela área de fiscalização do Fisco se restringem a contribuintes com patrimônio de mais de 1 milhão de reais, que exigem uma investigação mais complexa. "Também utilizamos esses recursos para buscar a origem de pequenos valores", conta Vilela.

Por conta do aprimoramento contínuo da fiscalização, nos últimos três anos a Receita Federal estima ter recuperado mais de 1 bilhão de reais em impostos, sonegados por cerca de 2 mil contribuintes.

Como é feita a pesquisa

Com base em documentos e extratos, a busca feita pela Receita pesquisa menções, vínculos e até fotos postadas nas redes sociais. O sistema geralmente utiliza palavras chaves para investigar bens de maior valor, como iates e aviões.

Já fotos de viagens ao litoral podem ser um sinal de que o contribuinte tenha patrimônio declarado naquela cidade, como imóveis. Ao constatar isso, a Receita faz uma pesquisa de bens relacionados ao contribuinte nos cartórios locais.

Mais do que agregar informações, essa varredura pode servir como prova para a cobrança de impostos. Foi o caso do empresário que apareceu dando palestra para a equipe de sua empresa no Facebook como diretor, mas negava a função. "Anexamos o vídeo como prova no processo para pagamento do imposto", conta Vilela.

Foco são "laranjas"

O alvo mais comum de pesquisas do Fisco pela internet é o que Vilela chama de "esvaziamento patrimonial". "O dinheiro que não é declarado geralmente não está no nome do contribuinte. Ele pode colocá-lo no nome de uma empregada doméstica ou de parentes próximos. Desde que não seja uma doação aos filhos, devidamente informada à Receita, isso é sonegação".

O diretor conta que muitas vezes a Receita tem elementos para elaborar um auto de infração (procedimento administrativo que é aberto quando se constata infrações, como falta de pagamento de impostos), como um grande volume movimentações financeiras. No entanto, o contribuinte não tem patrimônio em seu nome para que a sonegação seja comprovada. "Nesse caso, vamos atrás de informações para saber quem é o verdadeiro dono".

São os vínculos nas redes sociais, cruzados com informações sobre movimentações financeiras, que podem mostrar se o dinheiro está sendo transferido, e para onde.

Ainda que o contribuinte que é alvo da operação se preocupe em proteger os dados, menções a ele feitas por amigos na rede podem deixar rastros das infrações, conta Vilela. "Já conseguimos provar que um contribuinte era dono de uma empresa porque o motorista postou no Facebook que ele era o seu patrão".

 

 

 

Últimas Notícias

Ver mais
Malha fina: saiba o que é, onde consultar e como corrigir os erros
seloGuia de Investimentos

Malha fina: saiba o que é, onde consultar e como corrigir os erros

Há 15 horas

DARF: tudo o que você precisa saber para ficar em dia com a Receita Federal
seloGuia de Investimentos

DARF: tudo o que você precisa saber para ficar em dia com a Receita Federal

Há 15 horas

CEO do OnlyFans diz estar cansada de pessoas chamando site de 'pornô'
seloNegócios

CEO do OnlyFans diz estar cansada de pessoas chamando site de 'pornô'

Há 16 horas

Como declarar ações no imposto de renda? 2024
seloGuia de Investimentos

Como declarar ações no imposto de renda? 2024

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais