Mercados

Walt-Disney, insider trading, moda e prisão

Caso revelado pelo regulador americano mostra os bastidores de uma tentativa de venda de informações confidenciais da Disney para gestores de fundos

Negociações envolveram até os sapatos da famosa estilista Stella McCartney

Negociações envolveram até os sapatos da famosa estilista Stella McCartney

DR

Da Redação

Publicado em 26 de maio de 2010 às 18h16.

São Paulo - Mercado financeiro, moda e crime. Todos esses ingredientes fazem parte do caso de venda de informações confidenciais divulgado hoje pela SEC (Securities and Exchange Comission). A autoridade reguladora do mercado de capitais americano, com a ajuda do FBI (Federal Bureau of Investigation), prendeu Bonnie Jean Hoxie, assistente administrativa de um alto executivo da Disney e Yonni Sebbag, seu namorado.

O caso teve início em abril deste ano, quando ambos enviaram e-mails para pelo menos vinte gestores de hedge funds nos EUA e na Europa ofertando a informações privilegiadas sobre os resultados do segundo trimestre em troca de um valor a ser combinado. As mensagens eram enviadas a partir de um endereço confidencial com o seguinte conteúdo:

"[Tradução livre] Olá, tive acesso ao relatório de resultado trimestral da Disney (DIS) antes da sua publicação em 03/05/10. Pretendo trocar essa informação por um valor que podemos combinar depois. Peço desculpas por não abrir a minha identidade por razões de confidencialidade, mas podemos nos corresponder por e-mail caso você queira discutir o assunto. O meu email é 'xxxx@yyy.com'. Conto com a sua discrição como você pode contar com a minha. Obrigado e espero que conversemos".

Agentes do FBI montaram uma operação e contataram o remetente da mensagem passando-se por investidores interessados nas informações. Sebbag, utilizando o codinome de "Jonathan Cyrus" respondeu a mensagem e tentou vender o relatório. Depois de várias conversas, foi chegado a um valor de 15 mil dólares com um dos agentes e, com outro, uma participação de 50% sobre os lucros auferidos em negociações feitas com base na informação.

Dois dias antes da publicação oficial, Sebbag enviou um relatório que continha detalhes sobre as operações no período, além de perspectivas futuras traçadas pela direção da companhia. Entretanto, Sebbag não conseguiu entregar os dados finais horas antes da divulgação oficial, como havia prometido. No dia da publicação, Sebbag e a sua namorada trocaram mensagens que revelavam a frustração do namorado no atraso na entrega das informações.

Apesar da falha, Sebbag deu a dica sobre o lucro por ação a um dos agentes do FBI e acertou no valor: 48 centavos de dólar por papel. Ainda na data da publicação, Hoxie fez questão de pedir a sua participação nos ganhos da negociação. "(...) aqui está a bolsa que você vai conseguir para mim - obrigada", e então adicionou um link para uma imagem de uma bolsa da designer Stella McCartney avaliada em 700 dólares. "Talvez eu consiga duas delas", respondeu Sebbag. "Neste caso, eu também amaria muito esses sapatos", disse Hoxie, com o endereço de um sapato da mesma estilista.

Desta vez o "insider trading" não deu lucros. O FBI prendeu os dois nesta quarta-feira (26).

Relatório da SEC sobre o caso
http://d1.scribdassets.com/ScribdViewer.swf?document_id=32016215&access_key=key-1dkb8pgv57njxf587tb3&page=1&viewMode=list

Acompanhe tudo sobre:AçõesInside tradingMercado financeiroSEC

Mais de Mercados

Vice-presidente do Fed diz que ainda há 'um caminho pela frente' na questão da inflação

Bolsas da Europa fecham em alta, com perspectivas para postura de BCs e commodities

Como chegou ao fim o sonho de Selic em um dígito neste ano

Ibovespa fecha em queda após Focus revisar Selic para dois dígitos neste ano

Mais na Exame