Mercados

Telebrás deixou de ser especulativa?

Papéis disparam mais de 40% depois de confirmação de que a empresa irá liderar o Plano Nacional de Banda Larga

telebras-luiz-aureliano-460-jpg.jpg (./Divulgação)

telebras-luiz-aureliano-460-jpg.jpg (./Divulgação)

DR

Da Redação

Publicado em 5 de maio de 2010 às 16h42.

São Paulo - Depois de muito debate e polêmica, a Telebras foi confirmada hoje como a empresa que irá liderar o Plano Nacional de Banda Larga (PNBL). A notícia fez com que as ações da companhia (TELB3, TELB4) disparassem mais de 40% na BM&FBovespa no pregão desta quarta-feira (5).  “O anúncio de reativação da Telebrás mitiga as especulações de que uma operadora privada pudesse vir a ser a gestora do PNBL”, diz a corretora Link Investimentos, em nota.

Para os analistas, entretanto, a falta de informações sobre o plano ainda deixa as ações da empresa no campo especulativo do mercado. “Ainda é muito cedo para tratá-la como alternativa no setor de telecomunicações”, aponta o analista do setor de telecomunicações do BB Investimentos, Leonardo Nitta. “Não dá para saber se o preço atual super valoriza a empresa. É quase uma loteria”, indica.

A ministra-chefe da Casa Civil, Eunice Guerra, disse hoje em Brasília que o PNBL demandará 13 bilhões de reais até 2014. Para capitalizar a estatal em 3,22 bilhões de reais, o governo usará recursos do Tesouro Nacional. A empresa, segundo o coordenador dos projetos de inclusão digital do governo, Cezar Alvarez, passará a ter lucro a partir do terceiro ano de operação.

Outros detalhes, porém, ainda não foram revelados. “Ainda não sabemos a qual preço a Telebrás irá vender o serviço para as operadoras. Enquanto não estiver bem definido é especulação pura”, explica Gyorgy Pavetites, sócio-gestor da Foco Investimentos. O fundo chegou a ter ações da estatal em carteira, mas vendeu quando o preço chegou a 3,03 reais.

É o mesmo caso de George Sanders, gestor de renda variável da Infinity Asset. “Compramos justamente quando começaram os boatos sobre a criação do plano e agora estamos zerados. Ainda precisamos ver mais detalhes. A princípio parece bom para o papel”, analisa o gestor. De acordo com levantamento feito pela Economática para a EXAME.com, 24 fundos tiveram alguma posição no papel entre novembro e março deste ano.

“O anúncio é um primeiro passo porque ela deixou de ser não operacional, mas só vamos saber o valor que ela pode ter quando for anunciado os preços de venda para as operadoras”, completa Pavetites. “Pode vir a ser uma opção, mas ainda não dá para sugerir nada.Sem as tarifas não é possível projetar as receitas. O modelo ainda não está fechado”, analisa Nitta.

Acompanhe tudo sobre:AçõesEmpresasTecnologia da informaçãoTelebrasTelecomunicaçõesTesouro Nacional

Mais de Mercados

Berkshire Hathaway, de Warren Buffett, aumenta aposta no mercado de petróleo

Nvidia ultrapassa Microsoft e é a empresa mais valiosa do mundo

Petrobras (PETR4) aceita acordo tributário: isso impacta os dividendos?

Ibovespa opera volátil após crítica de Lula a Campos Neto e de olho no cenário externo

Mais na Exame