Mercados

Ratings de crédito da Anhanguera são elevados pela S&P

Companhia vem fortalecendo de forma consistente suas métricas de crédito nos últimos anos, diz agência

Anhanguera: Saída do Pátria é negativa (Germano Luders/EXAME)

Anhanguera: Saída do Pátria é negativa (Germano Luders/EXAME)

DR

Da Redação

Publicado em 29 de agosto de 2011 às 16h39.

São Paulo – A agência de classificação de risco Standard & Poor’s (S&P) elevou os ratings de crédito corporativo da Anhanguera Educacional (AEDU3), de BB- para BB na escala global e de brA para brAA- na Escala Nacional Brasil. A perspectiva é estável.

“Esperamos que a Anhanguera permaneça com a sua estratégia de aquisições nos próximos anos, mas se expandindo a partir de uma base de ativos mais madura e integrada, o que lhe possibilitará manter a liquidez adequada e métricas de crédito fortes”, destaca a S&P em comunicado.

Segundo a agência, o plano estratégico da empresa aponta para crescimento mais agressivo ao longo de 2013. A S&P explica que a melhora nas métricas de crédito da Anhanguera resulta em um portfólio de ativos cada vez mais integrado e de uma abordagem mais conservadora para alavancagem financeira.

“Nos últimos trimestres, as margens da empresa evoluíram consistentemente pelo aumento nas economias de escala derivado da expansão de seu portfólio de escolas; do crescimento de alunos matriculados por campus, o que ajudou a empresa a diluir custos fixos; e de um portfólio de cursos mais diversificado, contando com uma crescente participação dos programas de ensino à distância.”

A agência de classificação estima que a Anhanguera financie sua estratégia de crescimento com a posição existente de liquidez, resultante de uma oferta pública de ações, levando a um nível relativamente estável de dívida e ao incremento nas métricas de crédito.

Acompanhe tudo sobre:Agências de ratingAnálises fundamentalistasAnhanguera EducacionalEmpresasMercado financeiroRatingSetor de educação

Mais de Mercados

Seis desdobramentos da reunião do Copom que manteve a Selic em 10,50%, segundo o BTG Pactual

Ibovespa abre em alta com mercado mais otimista após decisão do Copom

‘Banco dos restaurantes’: iFood quer dobrar de tamanho com lançamento do iFood Pago

Repercussão do Copom, decisão de juros na Inglaterra e Casas Bahia (BHIA3): o que move o mercado

Mais na Exame