Mercados

Petrobras perde espaço no mercado de opções sobre ações

Papéis da OGX Petróleo avançam na preferência dos investidores

EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 19 de abril de 2010 às 16h52.

São Paulo - Os papéis da Petrobras seguem perdendo espaço na preferência dos investidores que operam no mercado de opções sobre ações na BM&FBovespa. As opções são direitos de compra ou venda de ações com preços e prazos de exercícios estabelecidos com antecedência. Assim, o investidor pode apostar na queda ou alta de um papel, comprando as ações abaixo do preço à vista no momento do vencimento do contrato.

Nesta segunda-feira (19), a bolsa anunciou que os contratos de opções sobre ações movimentou 5,28 bilhões de reais em abril. As opções de compra da Vale (VALE5) foram as mais negociadas. Os papéis com preço de exercício de 45,64 reais giraram 723 milhões de reais. As ações com preço em 39,64 por ação negociaram 559,6 milhões de reais e as com preço em 47,64 reais movimentaram 503,2 milhões de reais.

Na segunda posição aparecem os ativos da OGX Petróleo (OGXP3), ocupando um patamar de destaque que costuma ser preenchido pela Petrobras. Os papéis com preço em 18,50 e 17,50 por ação negociaram 825,5 milhões de reais. “Enquanto isso, as opções sobre ações da Petrobras negociaram em torno de 400 milhões de reais”, aponta Luiz Rogé, administrador de carteiras e diretor do portal Invest Certo.

Ele explica que, apesar de a OGX ainda estar em um período pré-operacional, as perspectivas para a empresa se mostram mais interessantes no setor do que as da Petrobras. “Os investidores têm vendido Petrobras e entrado em OGX. Assim, as ações têm ganhado liquidez, junto com o mercado de opções”, indica Rogé. A estatal também sofre com as incertezas em relação ao processo de capitalização da empresa para a exploração dos projetos do pré-sal.

“O fator mais importante neste ano é a questão da capitalização e a aprovação dos projetos de lei no Cogresso. Tudo pesa no desempenho dos papéis”, avalia Luiz Otávio Broad, analista da Ágora Corretora. Broad está cauteloso e recomenda a manutenção dos papéis da empresa. No ano, as ações da Petrobras já recuaram aproximadamente 10%. Os papéis da OGX, por sua vez, têm alta de 7%.

Acompanhe tudo sobre:Açõesbolsas-de-valoresCapitalização da PetrobrasEmpresasEmpresas abertasEmpresas brasileirasEmpresas estataisEstatais brasileirasGás e combustíveisIndústria do petróleoOGpar (ex-OGX)PetrobrasPetróleo

Mais de Mercados

Fed: John Williams diz que alta nos salários ainda não desacelerou de modo consistente

UBS anuncia mudanças na diretoria em etapa final da fusão com Credit Suisse

Ibovespa cai e volta a fechar no menor patamar do ano

Grupo Mateus (GMAT3) avalia comprar rede do Novo Atacarejo

Mais na Exame