Acompanhe:

Olhar chinês para rating rebaixa EUA e eleva mundo emergente

No ranking da agência de análise de crédito Dagong, a percepção de risco americana é maior que a chinesa; Brasil fica acima de grandes economias europeias

Modo escuro

Continua após a publicidade
Fachada do Banco Central da China: economia do país é menos arriscada que a americana segundo avaliação da Dagong (.)

Fachada do Banco Central da China: economia do país é menos arriscada que a americana segundo avaliação da Dagong (.)

M
Mirela Portugal

Publicado em 13 de julho de 2010 às, 18h15.

São Paulo - Uma nova ordem econômica mundial, com redistribuição de poderes e novos marcos na relação entre oriente e ocidente, é o cenário pintado pela agência de classificação de risco chinesa Dagong Global Credit Rating, que surpreendeu os mercados em seu primeiro relatório sobre o risco da dívida soberana de diversos países.

No estudo que escrutinou 50 economias e foi divulgado nesta terça-feira (13), a agência alertou para o “graves problemas” sofridos pelas economias tradicionais e atribuiu classificação AA aos Estados Unidos, abaixo da classificação da dívida da China (AA+) e longe da nota máxima (AAA) que tem nas outras agências.

O ranking subverte também a posição de outras nações, com nove economias acima das suas posições nas tradicionais agências de risco Moody’s, Fitch e Standard & Poors, entre elas o Brasil (que recebeu classificação A- pela Dagong) e os outros países do Brics, as chamadas economias emergentes, como Rússia e Índia. Outras 18 figuram abaixo de seus ratings habituais, com as presenças surpreendentes de economias tradicionais como a do Japão, Reino Unido e Alemanha no time das rebaixadas. Bélgica, Espanha e Itália foram ranqueados em A-, ao lado da Malásia.

A agência disse que seu objetivo é "corrigir os defeitos" do sistema existente e oferecer um contra-peso para as agências ocidentais. O olhar chinês para os países é filtrado diretamente pela capacidade de criação de riquezas no atual contexto econômico adverso, diz o estudo, mais do que na presença de instituições tradicionais ou histórico de estabilidade.

Segundo a agência, a metodologia é baseada também em questões como a capacidade de gestão nacional, poder econômico, poder financeiro, poder fiscal e  força do câmbio. "É a recém-criada riqueza social que apóia a capacidade de financiamento nacional e constitui a fonte primária de pagamento da dívida", diz a Dagong em sua avaliação.

Ascensão do Leste

No caso americano, a herança direta da crise no enfraquecimento da posição fiscal é o principal fator de definição do rating menor que o AAA das outras agências. A mesma pressão fiscal é apontada nas economias da Alemanha, França e Canadá.

A China, por outro lado, é apontada como detentora de força fiscal sustentável e perspectivas econômicas otimistas, apesar da ressalva em relação a adaptação das estrutura econômica e dos riscos geopolíticos. Na S&P, a classificação da dívida chinesa é A+, ladeada por A1 na Moody’s, AA- na Fitch e A+ na S&P.

O risco geopolítico é o principal obstáculo também para Arábia Saudita e da Coréia do Sul, apontadas como cenários otimistas de crescimento futuro e com ratings promovidos. A China subiu a Arábia Saudita para AA, contra o Aa3 da Moody’s, e AA- da S&P e da Fitch.  A Coréia do Sul ganhou classificação AA-, equivalente aos rankings das outras agências.

"A razão para a crise financeira global e a crise da dívida na Europa é que o atual sistema de rating de crédito não revela corretamente a capacidade de pagamento do devedor", disse Guan Jianzhong, presidente do Dagong.

Leia o relatório da agência chinesa:

 

Relatório da Dagong (apenas para Chrome e Firefox)
http://d1.scribdassets.com/ScribdViewer.swf?document_id=34288507&access_key=key-eiocvgthdkadm4sxpsm&page=1&viewMode=list

Últimas Notícias

Ver mais
EUA restringe viagens de diplomatas em Israel em meio a temor de ataque do Irã
Mundo

EUA restringe viagens de diplomatas em Israel em meio a temor de ataque do Irã

Há 10 horas

Israel promete se defender de eventual resposta do Irã a ataque em consulado na Síria
Mundo

Israel promete se defender de eventual resposta do Irã a ataque em consulado na Síria

Há 10 horas

EUA pede que China use sua influência para dissuadir Irã de atacar Israel
Mundo

EUA pede que China use sua influência para dissuadir Irã de atacar Israel

Há 14 horas

México pede suspensão do Equador na ONU em denúncia apresentada em Haia
Mundo

México pede suspensão do Equador na ONU em denúncia apresentada em Haia

Há 15 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais