Manguinhos volta a ser negociada na bolsa e cai quase 70%

Bovespa anunciou nesta tarde que as ações voltariam a ser negociadas a partir das 16h36
 (Divulgação)
(Divulgação)
D
Da Redação

Publicado em 23/10/2012 às 20:24.

Última atualização em 17/12/2018 às 18:33.

São Paulo - As ações da Refinaria de Petróleos de Manguinhos voltaram a ser negociadas na Bovespa nesta terça-feira, num leilão que terminou em queda de quase 70 por cento no preço dos papéis.

Faltando menos de uma hora para o final do pregão, a BM&FBovespa informou que recebeu determinação da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) para que fossem retomadas as negociações com ações da Manguinhos.

A reabertura dos negócios se deu às 16h36, num leilão que se estendeu até o fechamento do mercado. O resultado do leilão apontou para um preço de 0,20 real para a ação preferencial -- tombo de 69,69 por cento em relação ao último pregão antes da suspensão dos negócios, em 11 de outobro--, e de 0,27 real para a ação ordinária, com queda de 67,85 por cento.

No dia 11, quando foram suspensas as negociações das ações da Manguinhos, o papel preferencial fechou cotado a 0,66 real, enquanto o ordinário ficou em 0,84 real.

Os negócios ficaram suspensos à pedido da empresa, após decisão do governo do Rio de Janeiro de desapropriar a área onde está situada a refinaria.

Os negócios com as ações da Manguinhos foram listados sob o título de "outros", informou a BM&FBovespa, devido a decreto do governador do Estado do Rio de Janeiro de desapropriação do imóvel da refinaria.

Exclusão de índices - Devido ao reinício das negociações com as ações da Manguinhos sob o título de "outros", a BM&FBovespa informou que as ações ordinárias da Refinaria de Manguinhos serão excluídas do índice IBrX 100 (.IBRX), sendo substituídas pelo papel da Iguatemi.

Além disso, as ações ordinárias e as preferenciais também serão excluídas dos índices Small Caps (.SMLL) e Brasil (.IBRA).

As mudanças valem a partir da quarta-feira.