Mercados

Hering tem ações rebaixadas pelo HSBC

Resultado trimestral mostra freio no crescimento da companhia, que teve recomendação e preço-alvo das ações revisados para baixo

Hering: crescimento gradual substitui explosão a partir de 2011 (Germano Lüders/EXAME)

Hering: crescimento gradual substitui explosão a partir de 2011 (Germano Lüders/EXAME)

DR

Da Redação

Publicado em 4 de novembro de 2010 às 10h16.

São Paulo - Ainda que 2010 seja o ano em que a Hering conquistou o posto de vedete do mercado, apoiada em sólida valorização na bolsa, parece que o fim da temporada de expansão se aproxima no horizonte da companhia. O primeiro a sinalizar a desaceleração nos negócios é o HSBC, que rebaixou a recomendação para os papéis da companhia (HGTX3) de overweight (alocação acima da média do mercado) para neutra em relatório desta quinta-feira.

 O HSBC reduziu também as estimativas para a HGTX3 em 2010 e 2011, com um novo preço-alvo de 32 reais para dezembro do ano que vem, representando um retorno potencial de 13,2%. O preço alvo anterior era de 33,33 reais. Segundo os analistas Francisco Chevez e Manisha Chaudry,  os resultados trimestrais da companhia ficaram abaixo das estimativas. “A empresa registrou um bom crescimento de receita, de 33,9%, mas esse número foi inferior às nossas expectativas”, dizem em relatório. Ebitda (22,5%) e lucro por ação (0,62 real) também ficaram abaixo das estimativas do banco.  

Crescimento gradual 

Os sinais apontam para um freio na expansão, ainda que não representem estagnação dos negócios, ressaltam os analistas. “Acreditamos que a Hering continuará a se beneficiar de forte crescimento, mas a um ritmo mais gradual em comparação à sua rápida expansão nos trimestres anteriores”.

O banco revisou também a estimativa de receita em 2011 de 1,026 bilhões de reais para 999 milhões de reais. O desdobramento recente dos papéis da companhia na proporção de 1 para 3 também motivou a revisão do lucro por ação para 2010 em 1,09 e 1,53 reais (antes da cisão era respectivamente 3,47 e 4,75 reais). “Esperamos que o crescimento da receita modere em cerca de 30% daqui para a frente”, aposta o HSBC.

Acompanhe tudo sobre:AçõesAnálises fundamentalistasBancosbolsas-de-valoresCalçadosEmpresasEmpresas inglesasHeringHSBCMercado financeiroRoupasTêxteisVarejo

Mais de Mercados

Seis desdobramentos da reunião do Copom que manteve a Selic em 10,50%, segundo o BTG Pactual

Ibovespa opera em alta com mercado mais otimista após decisão do Copom

‘Banco dos restaurantes’: iFood quer dobrar de tamanho com lançamento do iFood Pago

Repercussão do Copom, decisão de juros na Inglaterra e Casas Bahia (BHIA3): o que move o mercado

Mais na Exame