Mercados

Goldman quer evitar acusação de fraude em acordo com SEC, diz jornal

Washington - O Goldman Sachs espera contornar as acusações de fraude como parte de um acordo envolvendo o processo aberto pela Securities and Exchange Commission, órgão regulador do mercado de capitais norte-americano, afirmou o Wall Street Journal nesta sexta-feira, citando pessoas familiares com a questão. Advogados do Goldman se encontraram com representantes da SEC pelo […]

EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 28 de maio de 2010 às 10h11.

Washington - O Goldman Sachs espera contornar as acusações de fraude como parte de um acordo envolvendo o processo aberto pela Securities and Exchange Commission, órgão regulador do mercado de capitais norte-americano, afirmou o Wall Street Journal nesta sexta-feira, citando pessoas familiares com a questão.

Advogados do Goldman se encontraram com representantes da SEC pelo menos uma vez desde que o processo foi aberto, afirmou o jornal. Não ficou claro como a SEC respondeu às indicações do Goldman de que a empresa espera chegar um acordo para reduzir a acusação do nível de fraude, segundo o WSJ.

O periódico informou ainda não ser incomum que empresas acusadas pela SEC tentem negociar um abrandamento em conversas para acordos. A SEC acusou o Goldman de criar e comercializar um produto de débito ligado a hipotecas subprime sem informar aos investidores que um fundo de hedge que escolheu os ativos apostava contra eles.

O Goldman negou a conduta. O Goldman e a SEC não comentaram a reportagem. Ambos não puderam ser imediatamente contatados pela Reuters.

Leia outras notícias relacionadas ao Goldman Sachs

Acompanhe tudo sobre:Bancosbancos-de-investimentoEmpresasEmpresas americanasEstados Unidos (EUA)Goldman SachsMercado financeiroPaíses ricosSEC

Mais de Mercados

Bolsas da Europa fecham em baixa, devolvendo parte dos ganhos em dia de CPI da zona do euro

Gavekal: inflação machuca, mas é a pobreza o maior problema dos EUA

Ibovespa fecha perto da estabilidade dividido entre Vale (VALE3) e Petrobras (PETR4)

China, inflação da europa e demissões na Petrobras: o que move o mercado

Mais na Exame