Mercados

GOL estende oferta pública de aquisição de notas sêniores

Companhia aérea anunciou um aditamento dos termos e condições das ofertas de aquisição das notas 2017, 2020 e 2023


	Avião da GOL Linhas Aéreas manobra na pista do Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro
 (Dado Galdieri/Bloomberg)

Avião da GOL Linhas Aéreas manobra na pista do Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro (Dado Galdieri/Bloomberg)

DR

Da Redação

Publicado em 10 de setembro de 2014 às 07h48.

São Paulo - A companhia aérea GOL anunciou um aditamento dos termos e condições das ofertas de aquisição das notas 2017, 2020 e 2023, segundo comunicado enviado ao mercado no fim da terça-feira.

As ofertas foram aditadas para estender o pagamento para oferta antecipada das notas a todos os detentores que aceitarem as ofertas para aquisição e entregarem solicitações de consentimento até a data de vencimento das ofertas, assim como adiar a data de liquidação antecipada para coincidir com a data de liquidação final, disse a GOL.

Além disso, a LuxCo e a GOL Finance, subsidiárias da companhia que realizarão as aquisições, solicitaram consentimento dos detentores das notas para a adotar certos aditivos às escrituras de emissão das notas para eliminar todos os covenants restritivos.

A GOL acrescentou que às 17h de terça-feira haviam sido oferecidas para aquisição e entregues consentimentos aos aditivos propostos para 33,39 milhões de dólares em notas 2017, cerca 27,4 por cento do total em circulação, 129,84 milhões de dólares em notas 2020, ou 43,4 por cento do total, e 43,95 milhões de dólares em notas 2023, ou 54,4 por cento do total.

Acompanhe tudo sobre:AviaçãoB3bolsas-de-valorescompanhias-aereasEmpresasEmpresas brasileirasGol Linhas AéreasMercado financeiroNotas promissóriasOfertas de açõesServiçosSetor de transporte

Mais de Mercados

Petróleo fecha em alta, de olho estoques dos EUA e após decisão do Fed

Bolsas da Europa fecham em alta, após quedas com incerteza política e acompanhando CPI dos EUA

Fed mantém juro inalterado nos EUA e projeta apenas um corte neste ano

Apple ultrapassa Microsoft impulsionada por IA e se torna a empresa mais valiosa do mundo

Mais na Exame