Acompanhe:

CVM fará audiência para regular agências de rating

O objetivo da Comissão é regular e fiscalizar as agências que operam no Brasil, o que inclui as empresas internacionais com escritórios

Modo escuro

Continua após a publicidade
A executiva Maria Helena diz que a medida visa a obter mais informações de como os ratings das empresas são concedidos (Ana Paula Paiva/Valor)

A executiva Maria Helena diz que a medida visa a obter mais informações de como os ratings das empresas são concedidos (Ana Paula Paiva/Valor)

A
Altamiro Silva Junior

Publicado em 11 de julho de 2011 às, 11h24.

São Paulo - A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) deve colocar em audiência pública nas próximas semanas uma instrução para regular as agências de classificação de risco ou agências de rating (notas), afirmou hoje a presidente da entidade, Maria Helena Santana, em entrevista à imprensa. O objetivo é regular e fiscalizar as agências que operam no Brasil, o que inclui as empresas internacionais com escritórios no País.

Maria Helena diz que a medida visa a obter mais informações de como os ratings das empresas são concedidos, além de discutir os conflitos de interesses nessas operações. Segundo a executiva, a CVM não tem intenção de padronizar as metodologias das diversas agências para os ratings, mas quer que cada entidade divulgue a sua.

Não há prazo definido para duração da audiência pública. Maria Helena diz que vai depender do ritmo das discussões. A intenção é que a instrução esteja pronta até o final do ano, mas a presidente da CVM preferiu não falar em prazos.

No mercado internacional, principalmente na Europa e Estados Unidos, há uma discussão sobre a regulação das agências de rating, que incluem nomes como Fitch, Moody's e Standard and Poor's. As discussões se intensificaram com a crise financeira internacional de 2008, quando muitos bancos e empresas financeiras com ratings elevados faliram ou tiveram problemas de solvência.

Ações

Maria Helena participou nesta manhã da abertura do 13º Encontro Nacional de Relações com Investidores e Mercados de Capitais, promovido pelo Instituto Brasileiro de Relações com Investidores (Ibri) e pela Associação Brasileira das Companhias Abertas (Abrasca).

Ela também afirmou que as emissões de ações das empresas brasileiras estão saindo com preços mais realistas. "Os investidores estão mais seletivos e essa seletividade está aumentando". Na avaliação de Maria Helena, os preços mais realistas, diferentes dos preços inflados das captações de 2007, são bons para os dois lados, para o investidor e para a empresa. Segundo ela, quando o preço é bom somente para um lado, é sinal de que o mercado não é sustentável.

A presidente da CVM destacou que o mercado de capitais está em uma fase muito positiva, com várias aberturas de capital e emissões subsequentes. "Vejo um mercado primário muito ativo."

Últimas Notícias

Ver mais
Boa Safra lança oferta de até R$ 400 milhões para financiar crescimento
Exame IN

Boa Safra lança oferta de até R$ 400 milhões para financiar crescimento

Há 21 horas

O plano de 100 dias da Sabesp para o pós-privatização
Exame IN

O plano de 100 dias da Sabesp para o pós-privatização

Há um dia

Agência Fitch rebaixa dívida soberana da China para perspectiva negativa
Mundo

Agência Fitch rebaixa dívida soberana da China para perspectiva negativa

Há um dia

Bolsas da Ásia fecham majoritariamente em baixa, após Fitch rebaixar perspectiva da China
seloMercados

Bolsas da Ásia fecham majoritariamente em baixa, após Fitch rebaixar perspectiva da China

Há 2 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais