Mercados

Cuidado com a Bovespa, alerta o Credit Suisse

Banco de investimentos vê as ações de bancos como as melhores na bolsa brasileira


	Bovespa: segundo o Credit Suisse, bancos devem continuar com bom desempenho na bolsa
 (Dado Galdieri/Bloomberg)

Bovespa: segundo o Credit Suisse, bancos devem continuar com bom desempenho na bolsa (Dado Galdieri/Bloomberg)

DR

Da Redação

Publicado em 28 de julho de 2014 às 17h46.

São Paulo - O setor de bancos está entre as razões para não se aborrecer por completo com a bolsa brasileira, segundo relatório do banco de investimentos Credit Suisse.

De acordo com o banco, as ações de empresas do segmento devem continuar com bom desempenho. Já com os demais setores, segundo o Credit, o melhor é tomar cuidado.

Assinado pelos analistas Andrew Campbell, André Hachem, Daniel Federle e Andrei Sabah, o relatório do Credit afirma que os grandes bancos de capital aberto no Brasil devem seguir apresentando um crescimento estável de suas receitas com a concessão de crédito, melhorando suas provisões contra inadimplência e “mostrando um controle de custos sem precedentes”.

O Bradesco, de acordo com o relatório, continua sendo a principal ação na preferência dos analistas do Credit. Eles acreditam que o banco tem mais condições de melhorar seus resultados trimestrais do que seus principais concorrentes.

“Além disso, o Bradesco está muito menos exposto do que antes às variações das taxas de juros e às oscilações do mercado”, diz a análise.

Além do Bradesco, Itaú Unibanco, Banco do Brasil e Itausa, holding que controla o Itaú, fazem parte da lista de preferências dos analistas do Credit, e suas ações são citadas como as com mais chances de bom desempenho nos próximos meses.

Além do setor de bancos, o setor de consumo discricionário, que inclui empresas de educação, de programas de fidelidade (como Multiplus e Smiles), está entre os preferidos do Credit.

Algumas construtoras, principalmente aquelas expostas a segmentos de baixa renda, beneficiados pelo programa do governo Minha Casa, Minha Vida, também entram na lista.

O relatório menciona as ações da MRV, da Tecnisa e da Direcional como as que apresentam a melhor tendência de desempenho.

Em baixa

O setor de bens de consumo ligados ao cotidiano, como alimentos e bebidas, foi rebaixado pelos analistas do Credit, passando de “compra” para “manutenção”.

As ações da Ambev estão entre as citadas e os analistas veem que a empresa pode ter dificuldades para manter a rentabilidade no médio prazo.

Outro segmento em baixa é o de matérias primas, com destaque para as ações da Vale. Segundo o relatório do Credit, a recomendação caiu de “manutenção” para “venda”.

De modo geral, os analistas veem que os setores de mineração e siderurgia terão momentos difíceis. A Vale, na opinião do Credit, pode enfrentar uma queda no volume de vendas de minério de ferro.

“Para exposição ao setor de siderurgia, nossos analistas preferem a Usiminas”, diz o relatório.

Os setores de energia elétrica e de transportes fecham a lista dos que tiveram sua recomendação rebaixada para “venda”. Antes, o Credit recomendava “manutenção” para os papéis de ambos os segmentos.

Cenário

Em junho, o Credit publicou um relatório anunciando que reduziria a exposição ao Brasil em sua carteira de ações recomendadas.

Os motivos citados pelo banco para a decisão foram a perspectiva de um fraco crescimento da economia brasileira, o nível elevado de inflação no país, os riscos ligados aos impactos da sucessão presidencial no mercado, dentre outros.

Acompanhe tudo sobre:Aluguel de açõesB3Bancosbancos-de-investimentobolsas-de-valoresCredit SuisseEmpresasEmpresas suíçasFinançasGuia de AçõesIbovespaMercado financeirorenda-variavel

Mais de Mercados

Shein protocola pedido confidencial de IPO em Londres, segundo CNBC

Ibovespa recupera os 122 mil pontos de olho em índices econômicos e Magazine Luiza (MGLU3)

Smart Fit (SMFT3) confirma intenção de compra da academia Velocity

Ata do Copom, Boletim Focus e IPCA-15: o que move o mercado

Mais na Exame