Mercados

Coreia do Sul descarta proibir bolsas de criptomoedas

O comentário do ministro ocorre com operadores em todo o mundo foram assustados por comentários conflitantes de funcionários do governo sul-coreano

Criptomoedas: "Não há intenção de proibir ou reprimir (o mercado) de criptomoedas", disse Kim (Edgar Su/Reuters)

Criptomoedas: "Não há intenção de proibir ou reprimir (o mercado) de criptomoedas", disse Kim (Edgar Su/Reuters)

R

Reuters

Publicado em 31 de janeiro de 2018 às 19h46.

Seul - O ministro de Finanças da Coreia do Sul disse que o governo não tem planos de proibir a corretagem de criptomoedas, uma boa notícia para investidores que temiam que o governo seguisse a dura ação da China, que bloqueou plataformas de moeda virtual.

O comentário de Kim Dong-Yeon nesta quarta-feira ocorre com operadores no país e em todo o mundo foram assustados por comentários conflitantes de funcionários do governo sul-coreano, um dos principais centros de comércio de criptomoedas, que Seul planejava proibir bolsas locais de moedas digitais.

"Não há intenção de proibir ou reprimir (o mercado) de criptomoedas", disse Kim, acrescentando que a tarefa imediata do governo é regular as bolsas.

A Coreia do Sul tem estado na vanguarda da pressão por uma ampla supervisão regulatória do comércio de criptogramoedas, pois muitos cidadãos, incluindo estudantes e donas de casa, entraram em neste mercado, apesar dos avisos de uma bolha dos legisladores em todo o mundo.

Reforçando a intenção de Seul de regular um mercado amplamente visto como obscuro e arriscado por legisladores pelo mundo, a alfândega do país nesta quarta-feira anunciou que descobriu uma bolsa ilegal que negociava cerca de 600 milhões de dólares em moedas virtuais.

Acompanhe tudo sobre:bolsas-de-valoresCoreia do SulCriptomoedas

Mais de Mercados

Investimentos em energia terão que dobrar até o fim da próxima década, projeta BlackRock

“Nova revolução”: como os maiores bancos do Brasil estão se preparando para lidar com a IA

Ibovespa opera em queda com investidores repercutindo ata do Copom; dólar sobe a R$ 5,44

Ata do Copom, Galípolo, arrecadação federal e falas do Fed: o que move o mercado

Mais na Exame