Acompanhe:

Cinco assuntos quentes para o Brasil nesta semana

Banco Central realiza na quarta-feira a última reunião de política monetária do ano e a primeira após a eleição

Assuntos importantes da semana: PEC da transição poderá ser votada na quarta-feira (Marcello Casal jr/Agência Brasil)

Assuntos importantes da semana: PEC da transição poderá ser votada na quarta-feira (Marcello Casal jr/Agência Brasil)

B
Bloomberg

4 de dezembro de 2022, 10h55

Primeiro Copom pós-eleição deve manter a Selic em 13,75% e analistas acompanham o tom do comunicado sobre risco fiscal, depois dos alertas já emitidos por Roberto Campos Neto durante a transição de governo. Semana traz ainda ainda possível votação da PEC e IPCA no Brasil, além de PPI nos EUA com Fed em período de silêncio. Copa do Mundo entra na fase de mata-mata.

Copom pós-eleição

Banco Central realiza na próxima quarta-feira a última reunião de política monetária do ano e a primeira após a eleição. A expectativa entre analistas é de manutenção da Selic em 13,75%. “A grande pergunta é se o BC vai subir o tom na discussão sobre os riscos fiscais e o efeito que um eventual aumento do crédito direcionado poderia ter sobre o juro neutro -- ambos os comentários seriam sinais hawkish”, diz Adriana Dupita, da Bloomberg Economics. O IPCA, que tem estimativa de desaceleração branda em 12 meses, encerra a agenda da semana, que ainda traz IGP-DI e vendas no varejo.

PEC da transição

A PEC da transição poderá ser votada na próxima quarta-feira, segundo o líder do PT na Câmara, Reginaldo Lopes. Integrantes do governo eleito já admitem votar a emenda com impacto fiscal entre R$ 140 bilhões e R$ 150 bilhões para garantir a aprovação do projeto no Senado, diz o Valor, sem revelar como obteve a informação. A presidente do STF, Rosa Weber, liberou as ações que questionam o chamado orçamento secreto e ministros preveem que possam ser colocadas em pauta já na semana que vem, segundo o Estado.

PEC desidratada ainda deve impedir corte da Selic, diz Kawall

Ministério de Lula

O presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva, disse que só anunciará seu ministério depois da diplomação, prevista para 12 de dezembro. Lula afirmou que tem 80% do ministério na cabeça e que pretende construí-lo com as forças políticas que o ajudaram a vencer a eleição. Especificamente sobre o ministério da Economia, Lula disse que terá a “cara do sucesso” do seu primeiro mandato. “Sei o que é bom para o povo e sei o que é bom para o mercado”, afirmou a jornalistas na sexta-feira. O presidente eleito continua inclinado a optar por Fernando Haddad e já teria precificado qualquer reação negativa, segundo um conselheiro próximo, que não quis se identificar. Leia mais em Brasília em Off.

EUA e Opep+

O mercado mantém dados americanos no radar enquanto o Fed entra em período de silêncio na próxima semana para a reunião do dia 14 de dezembro. O decisivo CPI só deve ser divulgado na véspera da reunião, mas na próxima semana o pulso da inflação e da atividade poderá ser checado por dados como o PPI. O petróleo, que se recuperou nesta semana, aguarda a reunião da Opep+ no domingo. Eleição para o Senado na Geórgia pode definir balanço entre partidos nos EUA. China deve divulgar dados de inflação e balança.

Investidores veem chance de o Fed subir juros até 5% após dados

Vale Day

A Vale vai promover reunião na quarta-feira com participantes do mercado de capitais na New York Stock Exchange em evento transmitido ao vivo por webcast, segundo comunicado da empresa. Azul, Engie, GPA, Localiza e AES também estão entre as empresas que promovem reuniões públicas com analistas e investidores nos próximos dias.