Acompanhe:

BTG Pactual espera alta de 20% no Ibovespa este ano

"O Ibovespa está barato" aponta relatório do banco; índice subiu 1% em 2010

Modo escuro

Continua após a publicidade
Segundo a previsão do BTG Pactual, o Ibovespa deve chegar a 84 mil pontos em 2011  (Lailson Santos/EXAME)

Segundo a previsão do BTG Pactual, o Ibovespa deve chegar a 84 mil pontos em 2011 (Lailson Santos/EXAME)

A
Alexander Ragir

Publicado em 4 de janeiro de 2011 às, 14h59.

Rio de Janeiro - O Ibovespa pode se valorizar 20 por cento em 2011 e chegar a cerca de 84 mil pontos no fim do ano, segundo relatório do Banco BTG Pactual SA. Os juros baixos em todo o mundo elevaram os preços das commodities, o que deixou as ações “baratas” após a alta nos lucros em 2010.

O índice subiu 1 por cento no ano passado, para 69.304 pontos, desempenho inferior aos 16 por cento de ganho do índice MSCI Emerging Markets e os 13 de alta do índice S&P 500. Para o BTG, o Ibovespa chegará a cerca de 84.000 pontos até o fim do ano com um crescimento de mais de 40 por cento nos lucros corporativos, em relação a 2010.

“O Ibovespa está barato - na verdade, está mais barato que seus pares emergentes e que o S&P”, escreveu Carlos Sequeira, estrategista do Banco BTG Pactual SA, em relatório a clientes. “Todo o dinheiro barato que está sendo injetado na economia global pode eventualmente produzir alguma inflação e sustentar os preços das commodities.”

O Ibovespa é negociado a 12,9 vezes seu lucro estimado, comparado a um múltiplo de 16,8 vezes no começo de 2010, segundo dados compilados pela Bloomberg. O índice MSCI Emerging Markets Index, com ações de 21 países em desenvolvimento, tem múltiplo de 13,4, enquanto o do índice Standard & Poor’s 500 é de 14,7.

Os investidores deveriam aumentar o peso das ações de mineração e petróleo, especialmente as produtoras de minério de ferro, escreveu Sequeira. Entre as produtoras de commodities, o BTG segue “ligeiramente underweight” para siderúrgicas e seus analistas “não gostam” de produtoras de papel e celulose, escreveu ele.

As empresas brasileiras devem ter crescimento médio de 17 por cento este ano e 16 por cento em 2012 em seus lucros, disse o BTG.

Expansão do crédito

Para as empresas que se beneficiam do crescimento econômico brasileiro, o BTG prefere os bancos, citando o nível histórico de baixa do desemprego, o crescimento do crédito, e os “múltiplos atraentes”.

O BTG é “bullish” para empresas de educação e de saúde. Segundo o relatório, os lucros cresceram e as fusões e aquisições nesses setores continuam um “tema relevante”.

A Petróleo Brasileiro SA perdeu 26 por cento no ano passado com o receio de que a capitalização de US$ 70 bilhões, feita em setembro, levaria a uma diluição dos lucros e que a influência do governo prejudicaria os ganhos. Sem o peso da Petrobras, o Ibovespa teria valorizado 6 por cento em 2010, disse o BTG.

“Esperamos que a ação se recupere gradualmente, auxiliada pelo potencial de rápido desenvolvimento e de aceleramento da produção nos campos do pré-sal da Bacia de Campos, em aéreas em que estejam disponíveis infraestrutura e capacidade de produção”, escreveu Sequeira.

Últimas Notícias

Ver mais
Depois do "back to basics", CVC mira 2 mil lojas
Exame IN

Depois do "back to basics", CVC mira 2 mil lojas

Há 23 horas

Carteira recomendada do BTG para março tira Vale (VALE3) e amplia exposição a setores mais cíclicos
seloOnde Investir

Carteira recomendada do BTG para março tira Vale (VALE3) e amplia exposição a setores mais cíclicos

Há um dia

MELHORES E MAIORES 2024: inscrições estão abertas
seloNegócios

MELHORES E MAIORES 2024: inscrições estão abertas

Há um dia

Pasta do Comércio da China se compromete a ajudar empresas e a impulsionar demanda doméstica
Economia

Pasta do Comércio da China se compromete a ajudar empresas e a impulsionar demanda doméstica

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais