Mercados

Com Brasil morno, mercado de trabalho americano entra no foco dos investidores

Indústria brasileira e relatório de inflação do Banco Central estão entre os destaques nacionais

Relatório de inflação do Banco Central na quarta-feira atualiza cenário de inflação nacional (.)

Relatório de inflação do Banco Central na quarta-feira atualiza cenário de inflação nacional (.)

DR

Da Redação

Publicado em 25 de junho de 2010 às 17h28.

São Paulo - Os indicadores brasileiros dão uma folga aos investidores numa semana com atenções voltadas aos dados do desempenho da economia americana. Entre os números nacionais, um dos destaques é a divulgação do relatório trimestral de inflação do Banco Central na quarta-feira (30) às 8h30, que pode trazer pistas de mudanças para a taxa Selic até o final do ano, aponta o economista Guilherme Meira, da corretora Renascença. "O relatório atualiza o cenário de inflação e suas perspectivas a curto prazo".

A inflação volta a ser destaque com o IGP-M às 8 horas da terça-feira (29), e tem expectativa de alta desacelerada em relação ao último resultado, diz Meira. "Esperamos leitura de um 1% ante o 1,19% anterior, provavelmente puxada pelo desempenho do minério de ferro". Outro ponto de destaque são os indicadores de produção da indústria em maio na quinta-feira (1), às 9 horas. "O Brasil teve um primeiro trimestre de produção muito forte, e os números podem refletir se a tentativa de desaceleração via taxa de juros teve sucesso", destaca.

Ainda estão previstas na agenda brasileira as informações de superávit nominal e primário de maio, a e a relação dívida/PIB, na quarta-feira (30). A quinta-feira traz o IPC-S da segunda quinzena de junho, às 8 horas, e a balança comercial de junho, às 11 horas.  Na sexta, o último indicador nacional é o IPC-Fipe, às 5 horas da manhã.

Mercado de trabalho americano

A semana é cheia de dados importantes nos Estados Unidos, a começar pelos números de renda pessoal e gastos pessoais, na segunda-feira (28), às 9h30. "Caso os dados americanos continuem mistos, como têm ocorrido, será suficiente para voltar a gerar volatilidade nas bolsas mundiais", aponta o economista Pedro Galdi, da corretora SLW. Entre os destaques, Galdi aconselha atenção aos indicadores de mercado de trabalho no fim da semana, principalmente na sexta-feira, com a divulgação da taxa de desemprego de maio. A expectativa para o número é de estacionamento no mesmo resultado de abril, em 9,7%, de acordo o site Briefing.com.

No setor trabalhista estão previstos também os pedidos de auxílio desemprego na quinta-feira (1), às 9h30, folha de pagamento e horas de trabalho, na sexta-feira (2) às 9h30.       Ainda na agenda americana, outros destaque são o preço dos imóveis às 10 horas da  terça-feira (29), e confiança do consumidor às 11 horas. De acordo com o portal Briefing.com, a expectativa para a confiança do consumidor em junho é de leve desaceleração para 62 pontos, ante 63,3 pontos em maio.

 

Acompanhe tudo sobre:América LatinaBanco CentralConfiançaCrescimento econômicoDados de BrasilDesempregoDesenvolvimento econômicoEstados Unidos (EUA)Indicadores econômicosInflaçãoMercado financeiroPaíses ricos

Mais de Mercados

Musk recebe sinal verde de acionistas da Tesla para remuneração bilionária

50 empresas que geraram mais valor aos acionistas; apenas uma é do Brasil

Vale prevê que vendas de minério e aglomerados ao Oriente Médio podem chegar a 67 milhões de t

Onde investir? Veja quem ganha e (quem perde) com a desvalorização do real

Mais na Exame