Mercados

Ações do PayPal voltarão ao Nasdaq após cisão com eBay

O PayPal cotará no Nasdaq sob o símbolo "PYPL", o mesmo que utilizava antes de a eBay comprar o sistema de pagamentos em 2002


	O PayPal cotará no Nasdaq sob o símbolo "PYPL", o mesmo que utilizava antes de a eBay comprar o sistema de pagamentos em 2002
 (Chris Ratcliffe/Bloomberg)

O PayPal cotará no Nasdaq sob o símbolo "PYPL", o mesmo que utilizava antes de a eBay comprar o sistema de pagamentos em 2002 (Chris Ratcliffe/Bloomberg)

DR

Da Redação

Publicado em 14 de maio de 2015 às 14h35.

Nova York - O sistema de pagamentos PayPal anunciou nesta quinta-feira que voltará a cotar no mercado Nasdaq quando acontecer sua cisão da companhia de comércio eletrônico eBay no terceiro trimestre do ano.

"Agora que vamos dar este passo para voltar a cotar de maneira independente, abrimos um novo capítulo na história do PayPal com um conjunto sem precedentes de ativos e vantagens", disse o presidente da companhia, Dan Schulman.

O PayPal cotará no Nasdaq sob o símbolo "PYPL", o mesmo que utilizava antes de a eBay comprar o sistema de pagamentos em 2002 pelo valor de US$ 1,5 bilhão, segundo destacou o presidente da companhia californiana.

O executivo-chefe da eBay, John Donahoe, tinha assegurado em setembro passado que o conselho de administração aprovou a cisão do negócio em duas empresas diferentes para melhorar a competitividade do popular sistema de pagamentos.

A eBay anunciou no final de abril que no primeiro trimestre do ano obteve um lucro líquido de US$ 626 milhões (US$ 0,51 por ação), enquanto seu faturamento subiu 4%, para US$ 4,448 bilhões.

Acompanhe tudo sobre:Açõesbolsas-de-valoresEmpresasEmpresas de internetMercado financeiroNasdaqPayPal

Mais de Mercados

Musk diz que Tesla pode competir com a China sem tarifas

Ibovespa segue pessimismo no exterior e fecha em queda; Suzano recupera perdas e lidera alta

"Se o medo é de uma loucura na Suzano, eu compro a ação": por que esse gestor está otimista com IP

Repercussão do balanço da Nvidia e da Ata do Fed: os assuntos que movem o mercado

Mais na Exame