Mercados

Efeito corona: ação sobe 25% e Mercado Livre supera valor do Itaú

Mesmo com pandemia de coronavírus, empresa aumenta faturamento em 70% e ganha novos clientes

Mercado Livre: ações revertem perdas do ano e sobem forte nesta quarta (Mercado Livre/Divulgação)

Mercado Livre: ações revertem perdas do ano e sobem forte nesta quarta (Mercado Livre/Divulgação)

GG

Guilherme Guilherme

Publicado em 6 de maio de 2020 às 12h02.

Última atualização em 12 de maio de 2020 às 10h07.

As ações do Mercado Livre dispararam 25,46% na máxima desta quarta-feira, 6, após a empresa divulgar o balanço do primeiro trimestre. Com isso, o o valor de mercado da companhia chegou a superar o do Itáu, que gira em torno dos 37,55 bilhões de dólares. Às 12h20, os papéis do Mercado Livre subiam 20,4% e eram negociados por 747 dólares na Nasdaq. Na cotação atual, seu valor de mercado fica em 37,31 bilhões de dólares.

De acordo com o resultado da companhia, seu faturamento líquido, desconsiderando os efeitos cambiais, cresceu 70,5%, para 652,1 milhões de dólares, no primeiro trimestre. No período, o volume de vendas da plataforma foi de 3,4 bilhões de dólares, o que representa 34,2% de alta na comparação anual. 

Apesar o isolamento social não ter impactado os sistemas de entregas da companhia, a demanda diminuiu nos primeiros dias de quarentena, com queda de 1,4% do volume de vendas entre os dias 18 e 24 de março. De acordo com a companhia, parte disso se deu em razão da mudança do tipo de consumo, que resultou na redução das vendas de produtos de alto valor, como eletrônicos e autopeças. 

No entanto, o movimento voltou a aquecer de maneira gradual. Em abril, a taxa de crescimento de itens vendidos saltou 75,8% e o de volume transacionado, 72,6% em relação mesmo período do ano passado, também sem considerar os efeitos cambiais.

O resultado financeiro no Brasil, que representa 60,9% do total da receita líquida da companhia, teve expansão de 54,8% em reais e de 31,4% em dólares. O Mercado Livre também tem operações no México e na Argentina, onde receita em dólares subiu 74% e 42%, respectivamente. Parte do maior crescimento nestes dois países é explicada pela valorização da moeda americana, que foi menor em relação ao peso mexicano e argentino do que foi contra o real.

Na vertente de pagamentos, o crescimento também foi acentuado. No primeiro trimestre, a base de usuários únicos ativos do Mercado Pago chegou a 43,2 milhões, - aumento de 30,9%. Já o volume de pagamentos subiu 43,5%, em dólares, para 8,1 bilhões de dólares. O expansão do Mercado Pago fora da plataforma de vendas do Mercado Livre, foi de 84,2% em dólares e de 139,5% em reais.  

Com a alta de hoje, a ação da empresa deve reverter as perdas do ano. Até ontem, o ativo acumulava queda de 6,5% em 2020.

Acompanhe tudo sobre:Açõese-commerceMercado financeiroMercado Livre

Mais de Mercados

Bancos centrais compram um quinto do ouro do mundo e esperam aumentar aposta

Dólar bate R$ 5,47 e Ibovespa opera volátil de olho em votação do Copom

Copom, posse da presidente da Petrobras e incorporação da Soma pela Arezzo: o que move o mercado

PicPay estuda fazer IPO nos EUA, diz Bloomberg

Mais na Exame