Mercados

Ações do Bradesco despencam mais de 7% com Zelotes

Polícia Federal encaminhou relatório ao MPF em que indicia presidente do banco na operação que investiga esquema de sentenças do Carf


	Agência do Bradesco: presidente do banco, Luiz Carlos Trabuco, é indiciado
 (Bloomberg News/Pedro Lobo)

Agência do Bradesco: presidente do banco, Luiz Carlos Trabuco, é indiciado (Bloomberg News/Pedro Lobo)

Anderson Figo

Anderson Figo

Publicado em 31 de maio de 2016 às 17h55.

São Paulo - As ações do Bradesco (BBDC4) despencaram na Bovespa nesta terça-feira (31), após a Polícia Federal ter encaminhado ao MPF (Ministério Público Federal) relatório em que indicia o presidente do banco, Luiz Carlos Trabuco, na Operação Zelotes.

A Zelotes investiga possíveis vendas de sentenças no Carf (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais). Segundo o jornal Folha de S.Paulo, o MPF ainda avalia o relatório e deve solicitar novas diligências antes de decidir se apresenta ou não a denúncia à Justiça por corrupção ativa contra Trabuco.

As ações preferenciais (sem direito a voto) do Bradesco chegaram a subir na abertura das negociações e depois perderam força, mas passaram a derreter após a informação sobre a Zelotes, pouco depois das 15h (de Brasília). Veja o gráfico abaixo.

(BM&FBovespa)

Na máxima do dia, os papéis preferenciais do banco chegaram a ter valorização de 0,75%. Na mínima, recuaram 7,33%. Eles fecharam a sessão em baixa de 5%, para R$ 22,80 cada um. 

Já os ordinários BBDC3 (com direito a voto), subiram até 0,71% na máxima e caíram até 5,78% na mínima. Eles encerraram o dia com desvalorização de 3,69%, para R$ 24,51 cada um. 

A perda das ações do Bradesco também derrubou o Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, que cedeu 1,01%, a 48,472 pontos. O índice chegou a subir até 0,62% durante o pregão.

Posicionamento

Em nota, o Bradesco disse "que não houve contratação dos serviços oferecidos pelo grupo investigado" e que "foi derrotado por seis votos a zero no julgamento do Carf".

O banco afirmou ainda que seu presidente "não participou de qualquer reunião com o grupo citado" no relatório da Polícia Federal. 

"O mérito do julgamento se refere a ação vencida pelo Bradesco em todas as instâncias da Justiça, em questionamento à cobrança de adicional de PIS/Cofins. Esta ação foi objeto de recurso pela Procuradoria da Fazenda no âmbito do Carf", disse o banco.

Segundo a nota, o Bradesco vai apresentar seus argumentos juridicamente por meio do seu corpo de advogados.

Atualizada às 17h40.

Acompanhe tudo sobre:AçõesB3Bancosbolsas-de-valoresBradescoEmpresasEmpresas abertasEmpresas brasileirasFinançasMinistério PúblicoOperação ZelotesPolícia Federal

Mais de Mercados

Como chegou ao fim o sonho de Selic em um dígito neste ano

Ibovespa abre em queda de olho em projeção da Selic em dois dígitos pelo BC

Focus, morte do presidente do Irã, ata do Fed e Light: o que move o mercado

Do Brasil ao Japão, mercados de ações batem recordes ao redor do mundo

Mais na Exame