Ilhas flutuantes podem ajudar a aquecer cidade europeia no inverno

Helsinque quer ser neutra em carbono, mas precisa solucionar o problema de aquecimento da cidade de forma sustentável

Helsinque, capital da Finlândia, quer ser neutra em carbono até 2035. Porém, seu inverno rigoroso cria um obstáculo para o objetivo sustentável da cidade: como aquecer a população sem o uso de combustíveis fósseis ou queima de madeira?

Em busca de resposta, Helsinque patrocinou o Helsinky Energy Challenge, com uma recompensa de 1 milhão de euros para qualquer um que encontrasse a solução. Um dos vencedores foi o Helsinki’s Hot Heart ("coração quente de Helsinque" em português), cuja ideia é a criação de 10 reservatórios flutuantes na costa da cidade que armazenariam calor na água do mar.

O sistema usaria eletricidade renovável para operar bombas de calor que aqueceriam a água do mar e a armazenaria nos reservatórios flutuantes. A ideia é que, toda vez que a água quente for necessária, ela seria enviada para o sistema de aquecimento da cidade, uma rede dividida em distritos que envia calor para quase todas as moradias.

O criador do projeto, o designer Carlo Ratti, diz que quatro dos dez reservatórios ainda teriam uma cobertura e poderiam ser usados para o cultivo de plantas tropicais, visitas gerais e também como estufas com piscinas quentes para a população visitar em fevereiro, durante a época mais fria da região.

Projeto Helsinki's Hot Heart Renderização de como seria o reservatório com espaço para visitas e cultivo de plantas tropicais

Renderização de como seria o reservatório com espaço para visitas e cultivo de plantas tropicais (Carlo Ratti Associati/Reprodução)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Projeto Helsinki's Hot Heart Renderização de como seria a piscina aquecida dentro de um dos reservatórios

Renderização de como seria a piscina aquecida dentro de um dos reservatórios (Carlo Ratti Associati/Reprodução)

Ratti diz que esse tipo de armazenamento térmico “já foi usado antes, mas nunca em uma escala sem precedentes”. Ele também acredita que o conceito desenvolvido por ele pode ser uma "virada de jogo", que pode ser usado em qualquer cidade com mar, lagos ou rios na sua costa.

“No contexto específico de Helsinque, é ideal usar água do mar para armazenar calor porque está prontamente disponível no mar fora da cidade, não requer nenhum transporte caro, o que resultaria em emissões de CO2 e não cria interferência com o ecossistema natural ”, explica Ratti.

O Helsinki's Hot Heart foi uma de quatro ideias vencedoras que a cidade está avaliando para implementar, possivelmente em combinação. Ratti e sua equipe acreditam que a tecnologia desenvolvida por eles pode atender às necessidades de aquecimento da cidade até o final da década, sem nenhuma emissão de carbono.

A vantagem é que seu projeto consegue ser conectado diretamente ao sistema de aquecimento urbano já existente na cidade, então não há necessidade de reformatá-lo.

“Embora os contratos, projeto, licenciamento e construção levem algum tempo, acreditamos que é viável com bastante antecedência do prazo de 2030 para descarbonizar o sistema de aquecimento urbano”, diz Ratti.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.