• AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
  • AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
Abra sua conta no BTG

China testa aeronave hipersônica capaz de viajar o mundo em uma hora

Modelo Starry Sky-2 poderia atingir quase seis vezes a velocidade do som e ser usado para transportar mísseis
A nave poderá atingir quase seis vezes a velocidade do som e ser usada para transportar mísseis (Reprodução/Youtube)
A nave poderá atingir quase seis vezes a velocidade do som e ser usada para transportar mísseis (Reprodução/Youtube)
Por Agência O GloboPublicado em 21/07/2021 09:43 | Última atualização em 23/07/2021 11:41Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Enquanto os bilionários Jeff Bezos e Richard Branson conquistaram os holofotes em sua corrida espacial nos últimos dias, a China realizava testes bem-sucedidos de uma aeronave hipersônica capaz de viajar a qualquer lugar do mundo em apenas uma hora - alguns minutos a mais do que o tempo médio da ponte aérea Rio-São Paulo. O modelo, conhecido como Starry Sky-2, completou seu primeiro voo na última sexta-feira em um local não revelado no noroeste chinês, conforme divulgou nesta semana a Academia Chinesa de Aerodinâmica Aeroespacial.

A nave poderá atingir quase seis vezes a velocidade do som e ser usada para transportar mísseis. Novos detalhes expostos recentemente indicam que o modelo terá 45 metros, cerca de um terço a mais de comprimento em comparação a um Boeing 737-70. Além disso, terá dois motores montados na parte superior de fuselagem.

Segundo o cronograma, espera-se concluir os testes para verificar todos os componentes-chave do voo até 2025. A previsão inicial é de que a China já opere uma frota a partir de 2035, transportando dez pessoas. Uma década depois, o país pretende levar mais de 100 passageiros nos aviões. Apesar de seu tamanho, há pouco espaço para acomodar pessoas em seu interior.

Pesquisadores estão conduzindo testes para avaliar o desempenho da aeronave em altitudes elevadas. Os cientistas encontraram pontos vulneráveis no avião que exigem proteção extra, segundo o jornal chinês South China Morning Post. Isso porque essas áreas teriam maior probabilidade de sofrer picos repentinos de calor e pressão quando o modelo atingisse aproximadamente seis vezes a velocidade do som.

Arma contra satélites

O projeto está sendo desenvolvido por pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Pequim e do Instituto de Engenharia de Sistemas de Naves Espaciais. Entre os envolvidos, estão cientistas responsáveis pelas missões espaciais em Marte e na Lua. ​

Em 2020, a China anunciou que havia testado com sucesso outro avião espacial que foi lançado de um foguete e orbitou a Terra por dois dias antes de seu retorno com sucesso. A missão foi classificada como um "avanço importante" pela mídia estatal chinesa. A tecnologia poderia ser usada como uma arma vital no espaço, ​​para atacar satélites, estações espaciais ou alvos terrestres e ser usados ​​para interceptar mísseis balísticos.

Os militares dos EUA têm trabalhado em um projeto semelhante com o programa XS-1, que visa desenvolver um avião espacial reutilizável que pode colocar pequenos satélites em órbita. No ano passado, porém, a Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa (Darpa) disse que o programa havia terminado depois que a empreiteira Boeing saiu.