Guerra afeta preço do bitcoin: 5 fatores para ficar de olho nesta semana

Impactado pelos conflitos entre Rússia e Ucrânia, preço do bitcoin se mantém relativamente estável, mas alguns fatores podem provocar mudanças drásticas durante a semana
 (SOPA Images/Getty Images)
(SOPA Images/Getty Images)
C
Cointelegraph BrasilPublicado em 28/02/2022 às 11:24.

O bitcoin inicia uma nova semana à sombra do conflito geopolítico envolvendo Rússia e Ucrânia e uma dúvida atormenta a maioria daqueles que participam do mercado cripto: quais os principais obstáculos que os investidores enfrentarão nos próximos dias?

Em um ambiente macro irreconhecível com aquele de poucos dias atrás, antes do início dos conflitos, o bitcoin, como muitos outros ativos, está sentindo a pressão.

A invasão da Rússia e a subsequente guerra contra a Ucrânia estão causando estragos nos mercados globais, e os acontecimentos podem abalar o sentimento dos investidores em questão de horas ou minutos.

O momento também atingiu o bitcoin – sua qualidade de porto seguro passa por um teste sério, já que os investidores procuram segurança e os aqueles com exposição às moedas fiduciárias procuram uma alternativa.

Mas o que está reservado para o bitcoin no curto prazo? Confira cinco fatores que os investidores da criptomoeda precisam ficar de olho nesta semana:

Guerra na Ucrânia domina

É bastante claro que o conflito Rússia-Ucrânia é o principal fator de influência no mercado nesta semana. A situação, que chegou à sua forma atual há cinco dias, permanece em um estado de fluxo constante – as sanções continuam chegando, os dois lados e seus aliados continuam a se dobrar, os mercados reagem a novas ameaças e probabilidades.

A principal delas é a economia da Rússia, que está se preparando para a turbulência nesta segunda-feira. A negociação de ações foi adiada e o prognóstico é sombrio para sua moeda, o rublo, que já está sendo negociado em mínimas recordes.

Embora a incerteza reine, no entanto, todos estarão procurando o melhor porto seguro, e o uso do bitcoin - seja por russos e ucranianos comuns ou por seus governos - já é um ponto de discussão.

O exército da Ucrânia já levantou milhões de dólares em doações com criptomoedas , e sanções de longo alcance contra Moscou ainda podem facilitar um pivô para o bitcoin como uma ferramenta econômica. Mykhailo Fedorov, vice-presidente da Ucrânia, pediu às exchanges que bloqueiem os fundos dos usuários russos e bielorrussos.

“O bitcoin é como uma faca para um cirurgião ou uma faca para um criminoso”, escreveu o apresentador do podcast Preston Pysh no fim de semana, resumindo a situação. “Como qualquer tecnologia valiosa ao longo do tempo, seu valor vem da intenção por trás de seu uso”.

Enquanto isso, os mercados provavelmente serão impulsionados dependendo das mudanças nos eventos da guerra e dos efeitos indiretos para os governos.

Até agora, o petróleo - mas não o petróleo russo - tem sido um dos poucos beneficiários da guerra, enquanto o bitcoin conseguiu permanecer bastante estável - ao contrário do ouro, que primeiro subiu rapidamente e depois perdeu todo o terreno recém-conquistado.

A correlação do bitcoin e das altcoins com os mercados de ações, entretanto, permanece, e no curto prazo isso pode causar dor de cabeça para os investidores, independentemente dos rumos da guerra.

Ação de preço enfrenta força maior

Com os mercados tradicionais preparados para serem extremamente voláteis, adivinhar como o bitcoin se sairá nos prazos mais curtos é um problema real.

Correlações à parte, o bitcoin até agora conseguiu permanecer em uma faixa bastante curta, demonstrando certa estabilidade, e US$ 40.000 é uma zona de resistência clara para quem aposta na alta da criptomoeda.

O problema, no entanto, é que movimentos mais dramáticos podem vir como resultado de mudanças macro e, portanto, este pode não ser um sinal confiável de longo prazo.

“Abaixo de cerca de 4% no domingo às 5:00 EST (27 de fevereiro) de sexta-feira, o bitcoin está indicando uma semana difícil para ativos de risco”, alertou Mike McGlone, estrategista-chefe de commodities da Bloomberg Intelligence.

Enquanto isso, a conta popular do Twitter Decodejar observou que os níveis atuais representam o chamado ponto de controle nos últimos 15 meses, com US$ 38.000 vendo grandes volumes em relação a outros preços na faixa atual.

“Quando se trata de Bitcoin, o campo de jogo parece bastante simples”, argumentou Michaël van de Poppe, mais esperançoso. “Consolidação acontecendo após um movimento de alta durante a semana passada. Se você realmente deseja ver mais impulso, as correções não devem ser tão profundas, então US$ 38,1-38,2 mil devem se manter. Então, poderíamos chegar a US$ 44 mil.”

Com os mercados dos Estados Unidos ainda por abrir no momento em que este artigo foi escrito, a imagem pode mudar completamente antes do lançamento de segunda-feira.

Uma comparação com março de 2020 pode ser útil - naquela época, o bitcoin caiu em linha com os mercados globais, apenas para se recuperar como uma aposta assimétrica que levou os investidores de longo prazo a uma alta nunca antes vista nos nove meses seguintes.

Outro mês, outra vela vermelha

O fechamento de domingo realmente não foi de acordo com o plano para os observadores do preço do bitcoin.

Uma queda de última hora tirou as chances de fechar a semana e o mês acima de US$ 38.500 e, assim, deu aos livros de história suas primeiras quatro velas vermelhas mensais consecutivas desde o mercado de baixa de 2018.

Os eventos da semana passada, que representaram uma queda inesperada, claro, pioraram as coisas para os entusiastas do bitcoin. Também causando dor de cabeça para os analistas é o gráfico mensal em relação à sua média móvel exponencial de 21 meses (EMA), que pode desaparecer à medida que o suporte continuar as perdas.

A 21 EMA sendo quebrada tem sido uma característica comum das tendências de baixa do bitcoin, com fevereiro evitando um desempenho repetido.

“O fechamento mensal de amanhã é crítico. Se fecharmos abaixo de US$ 37.000, isso nos dará o mesmo sinal de baixa que todas as outras grandes quedas macro anteriores”, alertou o analista Kevin Svenson contra um gráfico que mostra o nível.

O bitcoin falhou anteriormente em recuperar duas principais médias móveis como pretexto para retomar os níveis de resistência mais altos perto dos máximos de todos os tempos a partir de novembro. O resultado, alertou o analista Rekt Capital na época, poderia ser uma possível revisão da faixa de US$ 28.000.

No lado positivo, a média móvel de 200 semanas do bitcoin, uma referência que poucos acreditam que será desafiada como suporte, ultrapassou US$ 20.000 pela primeira vez neste fim de semana.

Dificuldade estabiliza o barco

Afastando-se da geopolítica, os investidores têm todos os motivos para manter a fé na força da rede Bitcoin.

Apesar das pressões de preços e incertezas em praticamente todos os prazos, os mineradores continuam trabalhando, e a taxa de hash e a dificuldade continuam subindo.

Esta semana pode ser um desafio ao status quo - a taxa de hash (poder computacional da rede) é constante, mas a dificuldade deve diminuir pela primeira vez em 12 semanas, após levar em consideração as alterações mais recentes.

Isso não é nada ruim como um fenômeno – a queda de 1,25% é modesta pelos padrões do bitcoin e provavelmente reflete mudanças circunstanciais na participação dos mineradores, em vez do início de uma nova tendência.

De acordo com o recurso de monitoramento MiningPoolStats, a taxa de hash, por sua vez, permanece acima de 200 exahashes por segundo, uma mudança radical em relação a alguns meses atrás, quando o bitcoin atingiu seus máximos de todos os tempos.

A divergência dos fundamentos do preço foi amplamente abordada no ano passado. A questão agora é se o preço seguirá a taxa de hash como nos anos passados.

Sentimento prevê o pior

O bitcoin, fiel ao seu mantra, parece não ter “gostado” do surgimento de um novo conflito armado na Europa.

Deixando de lado suas funções potenciais, a maior criptomoeda não está desfrutando de um aumento de sentimento como resultado dos eventos recentes.

De acordo com o Crypto Fear & Greed Index, um indicador de sentimento que recebeu atenção crescente em 2022, o mercado está ficando rapidamente mais nervoso.

O par BTC/USD teve uma queda relativamente pequena durante a madrugada desta segunda-feira, mas isso foi suficiente para arrastar o índice de volta ao seu território de “medo extremo” – de 26 pontos (de um máximo de 100) no domingo, caiu para 20 nesta manhã, seu menor valor desde 22 de fevereiro, quando o conflito na Ucrânia estava prestes a começar.

Especialistas, no entanto, argumentam que a queda de preço na segunda-feira poderia ser um aviso prévio do mercado de que a desgraça e a melancolia reinam supremas no início da semana.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube | Telegram | Tik Tok