Future of Money

Estudo revela que 13% da população dos EUA já teve criptomoedas em algum momento

Queda nas cotações dos criptoativos em 2022 derrubou volume de transferências para exchanges nos Estados Unidos

Jovens e homens são mais propensos a negociar criptomoedas nos EUA (Reprodução/Unsplash)

Jovens e homens são mais propensos a negociar criptomoedas nos EUA (Reprodução/Unsplash)

Cointelegraph Brasil

Cointelegraph Brasil

Publicado em 13 de dezembro de 2022 às 12h24.

Cerca de 13% da população norte-americana - ou 43 milhões de pessoas - já teve criptomoedas em algum momento de suas vidas, revelou uma nova pesquisa divulgada pelo banco JPMorgan Chase nesta terça-feira, 13. De acordo com o relatório intitulado "A dinâmica e a demografia do uso doméstico de criptoativos nos EUA", esse número aumentou drasticamente desde 2020, quando era de cerca de 3%.

Os dados da pesquisa foram levantados a partir de uma análise das transferências de contas correntes de uma amostra de mais de 5 milhões de clientes. Descobriu-se que 600 mil pessoas neste grupo transferiram dinheiro para contas pessoais em plataformas de negociação de criptomoedas em algum momento durante o período de 2020 a 2022.

  • Aproveite todas as possibilidades do mundo crypto. A Mynt ajuda você a explorar o melhor do mercado com segurança e diversidade de criptomoedas. Clique aqui para abrir sua conta.

A tendência mudou no início de 2022, quando os preços dos criptoativos caíram, de acordo com o JPMorgan. Nos últimos meses, as transferências de dinheiro para exchanges excederam apenas ligeiramente os saques.

O JPMorgan diz que isso é resultado das quedas nos preços das criptomoedas e de uma tendência mais ampla de declínio da taxa de poupança nos Estados Unidos desde a pandemia.

“Vemos a ascensão e queda do uso de criptomoedas desde o início da Covid-19 como consistente com a relação conjunta entre fluxos de varejo e preços de mercado vistos em pesquisas anteriores. Além disso, a tendência nos fluxos de criptomoedas também acompanha a dinâmica das economias domésticas, que atingiram máximas históricas no início da pandemia, mas começaram a reverter", diz o banco.

Quem está comprando?

O relatório também avaliou se certos grupos demográficos são mais propensos a comprar criptomoedas nos EUA. Ele descobriu que homens de todas as idades compram significativamente mais os criptoativos do que mulheres, e que os mais jovens compram significativamente mais do que os mais velhos.

O JPMorgan informou que mais de 25% de homens millenials compraram criptomoedas no período, enquanto apenas cerca de 12% das mulheres millenials e 5% dos baby boomers do sexo masculino o fizeram.

A pesquisa também descobriu que as participações em criptomoedas eram relativamente pequenas para a maioria dos indivíduos, com fluxos médios iguais a menos de uma semana de salário líquido. Por outro lado, cerca de 15% dos proprietários de cripto registraram mais de um mês de salário investido.

O mercado de criptomoedas passou por uma queda dramática em 2022. O bitcoin caiu de uma máxima de US$ 47.459 em março para US$ 17.208, enquanto o ether, de US$ 3.521 em abril para US$ 1.273 no momento.

A queda no mercado cripto foi o resultado de choques, crises e colapsos, como a stablecoin TerraUSD (UST) perdendo a paridade com o dólar em maio e a corretora FTX indo à falência em novembro.

As receitas oriundas de taxas de negociação caíram em muitas corretoras de criptomoedas. A Coinbase até mesmo afirmou que suas receitas caíram quase 50% neste ano em relação a 2021. Mas, apesar do declínio nos preços dos criptoativos e na atividade comercial, o novo relatório indica que a propriedade de criptomoedas ainda aumentou ao longo dos últimos anos.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube | Telegram | Tik Tok  

Acompanhe tudo sobre:CriptoativosCriptomoedasEstados Unidos (EUA)JPMorgan

Mais de Future of Money

Gestora brasileira Hashdex quer lançar ETF misto de bitcoin e ether nos EUA

Golpistas roubam R$ 15 milhões de gigante cripto e pedem recompensa por encontrar falha

Análise: mercado cripto passa por 2ª semana de correção, mas tendência ainda é de alta

Receita Federal aperta cerco contra corretoras estrangeiras de criptomoedas; entenda

Mais na Exame