Future of Money
Acompanhe:

Gigantes do mercado estão comprando: MicroStrategy compra US$0,5 bi em BTC

Comandada por Michael Saylor, a companhia de desenvolvimento de softwares corporativos tem aproveitado a baixa de preços para adquirir quase US$ 0,5 bi em bitcoin, ressaltando o aumento do interesse institucional no criptoativo

 (MicroStrategy/Divulgação)

(MicroStrategy/Divulgação)

L
Lucas Josa

Publicado em 21 de junho de 2021, 16h59.

Última atualização em 21 de junho de 2021, 18h09.

Em meio às incertezas geradas por uma postura mais rígida do governo chinês em relação ao bitcoin e sua mineração, nesta segunda-feira, 21, Michael Saylor, CEO da MicroStrategy, anunciou a aquisição de mais 13.005 bitcoins, demonstrando o aumento do interesse institucional no criptoativo.

Uma semana após anunciar a venda de até 1 bilhão de dólares em ações ordinárias para aumentar a posição da companhia na criptomoeda, em uma publicação feita no Twitter, Michael Saylor divulgou a compra mais recente da MicroStrategy, que aproveitou a queda do criptoativo e adquiriu mais 489 milhões de dólares em bitcoin a um preço médio de 37.617 dólares por unidade, totalizando 13.005 bitcoins.

Com a compra, a empresa focada no desenvolvimento de softwares corporativos reforçou sua estratégia de alocação de parte de suas reservas em bitcoin, que, de acordo com a companhia, além de proporcionar uma forma de proteção contra uma alta taxa de inflação, aumenta o conhecimento da MicroStrategy em relação ao mercado, posicionando-a como uma empresa que investe alto em inovação e tecnologia.

Após a mais recente aquisição de quase meio bilhão de dólares, a MicroStrategy superou a marca de 100.000 bitcoins sobe sua posse, totalizando 105.085 unidades da criptomoeda, que foram compradas a um preço médio de 26.080 dólares, que na atual cotação do criptoativo, já geraram um lucro de aproximadamente 700 milhões de dólares a companhia.

Além da MicroStrategy, outros gigantes do mercado têm aproveitado a queda de preços do bitcoin e de outros criptoativos para ingressar no setor. Na última semana, o BBVA, o segundo maior banco da Espanha, anunciou o início das operações de negociação e custódia de criptomoedas na Suíça, acompanhando os movimentos recentes de Morgan Stanley e Goldman Sachs, ressaltando o aumento do interesse institucional nesta classe de ativos.

No curso Decifrando as Criptomoedas, da EXAME Academy, Nicholas Sacchi, head de criptoativos da EXAME, mergulha no universo de criptoativos, com o objetivo de desmistificar e trazer clareza sobre o funcionamento. Confira.