EXAME Agro

Plataforma blockchain brasileira negociou 25 milhões de toneladas de soja

Covantis, que utiliza blockchain para controlar cadeia de fornecimento de soja no Brasil, já responde por cerca de 40% do total exportado pelo país

Colheita de soja: aumento de importação da China em relação também ao ano passado (Alexis Prappas/Exame)

Colheita de soja: aumento de importação da China em relação também ao ano passado (Alexis Prappas/Exame)

GR

Gabriel Rubinsteinn

Publicado em 15 de abril de 2021 às 18h44.

Última atualização em 20 de abril de 2021 às 11h48.

A Covantis, plataforma brasileira para o acompanhamento da cadeia produtiva da soja, baseada em blockchain, que foi lançada em fevereiro, já negociou 25 milhões de toneladas de soja nos últimos dois meses.

A plataforma blockchain apoiou acordos que já representam entre 35% e 45% do total de exportações de soja no Brasil, segundo o executivo comercial da Covantis, Sorin Albeanu.

Ele ressaltou desafio de introduzir tecnologias disruptivas em um mercado que funciona da mesma forma há décadas: “Pessoas da América do Sul… Europa, Ásia, América do Norte estão conectadas à plataforma para trocar dados, e isso é apenas o começo. O plano é continuar crescendo para maximizar a liquidez, os fluxos. É um processo… Estamos trazendo inovação para algo que não mudou por décadas”.

O crescimento da plataforma, que reúne gigantes do setor como Bunge, Cargill, Cofco, Louis Dreyfus e Viterra, contou com a adesão de mais dez empresas agrícolas em março.

Atualmente, as empresas que utilizam a plataforma respondem por 75% das exportações de soja e milho registradas no Brasil em 2020.

Para este trimestre, a Covantis promete a chegada de mais quatro ou cinco grupos empresariais, com uma meta de reunir 87% da produção de grãos do país. No segundo semestre, o consórcio espera a chegada de mais 10 produtores para a plataforma.

Inicialmente dedicada à soja, a Covantis já planeja a adesão de produtores de milho. O presidente do Comitê de Contratos da Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (Anec), Marcos Amorim, diz que a plataforma é um desejo antigo dos associados da entidade e pode até ser expandida para o mercado global a partir dos Estados Unidos: “Com a tecnologia de blockchain você consegue manter uma grande base de dados, com segurança e com gasto pequeno”.

O objetivo final da Covantis é reunir toda a exportação de soja no Brasil na plataforma blockchain, que é registrada no ecossistema Ethereum através da ConsenSys, empresa de blockchain que recentemente recebeu aporte milionário de empresas como JPMorgan e Mastercard.

por Cointelegraph Brasil
Acompanhe tudo sobre:AgronegócioBlockchainExame-AgroSoja

Mais de EXAME Agro

Startup se une à Microsoft para restaurar 15 mil hectares da Amazônia e da Mata Atlântica

Ministério da Agricultura será transferido de forma itinerante para o RS, informa Fávaro

Criadores estimam perda de R$ 40 milhões no RS com morte de suínos e danos a propriedades

Conab suspende leilão para compra de arroz; ministro diz que Mercosul elevou preço do grão em 30%

Mais na Exame