ESG

Veuve Clicquot anuncia prêmio para empreendedoras brasileiras

Inscrições para duas categorias de programa mundial da marca já estão abertas e vão até 15 de julho

A jornalista Fabiana Corrêa, a empresária Cris Arcangeli, a empreendedora Nina Silva e a chef Renata Vanzetto em evento sobre premiação da Veuve Clicquot (Lais Moss/Reprodução)

A jornalista Fabiana Corrêa, a empresária Cris Arcangeli, a empreendedora Nina Silva e a chef Renata Vanzetto em evento sobre premiação da Veuve Clicquot (Lais Moss/Reprodução)

Lia Rizzo
Lia Rizzo

Projetos e conteúdos especiais

Publicado em 21 de maio de 2024 às 07h00.

A Veuve Clicquot anunciou há alguns dias, a realização de duas categorias da premiação do Bold by Veuve Clicquot no Brasil, programa mundial criado há cinco décadas, que já contemplou mais de 450 mulheres em 27 países. Relançada no país depois de um hiato de 13 anos, a premiação teve sua primeira edição brasileira em 1992, mas foi criada em 1972 com inspiração na história da empresária Barbe-Nicole Ponsardin.

Ou, como é mais conhecida, Madame Clicquot, que precisou assumir a casa de champagne em 1805, quando o marido faleceu vítima de febre tifoide. Mesmo que no século passado, Clicquot enfrentou uma série de desafios ainda hoje muito familiares a mulheres empreendedoras. Viu a empresa quase falir por duas ocasiões até a sorte virar ao fim das Guerras Napoleônicas, em meados de 1812.  

Inscrições abertas de maio a julho

Em um jantar para convidadas em São Paulo, Catherine Petit, diretora geral da Moët Hennessy no Brasil (ramo de bebidas do grupo de marcas de luxo LVMH e que representa a Veuve Clicquot no país), lembrou como a trajetória feminina no mercado de trabalho em geral ainda não é fácil. “Estamos aprendendo a nos comunicar mais, a usar mais nossas vozes e este é um exercício constante inclusive para mim”, disse a executiva. 

Com inscrições abertas desde o dia 15 de maio até 15 de julho pelo site da marca, a premiação brasileira homenageará duas mulheres, nas categorias Bold Woman Awards, que considerará a carreira, conquistas e sucesso da empresa, e Bold Future Award, que contemplará a fundadora ou cofundadora de negócios relevantes criados nos últimos três anos. 

Para ambas as categorias, um júri avaliará ainda o impacto no campo de atuação e na sociedade e como as premiadas têm incentivado a voz e a visibilidade de outras mulheres. As seis finalistas - serão três em cada categoria - serão conhecidas em setembro, quando a premiação acontece e serão anunciadas também as vencedoras. 

Acompanhe tudo sobre:empreendedorismo-femininoMulheresExame Plural

Mais de ESG

Microsoft compra 8 milhões de créditos de carbono do TIG, que investe na proteção do Cerrado

Para cumprir meta de redução de CO2, Electrolux quer ajudar clientes na economia de energia

Hospital Albert Einstein destina 67% dos resíduos para reciclagem - e gera renda com isso

Mais na Exame