ESG

Transição energética está fracassando e viver sem petróleo é "fantasia", diz CEO da Saudi Aramco

"No mundo real, a estratégia atual de transição está visivelmente fracassando em quase todos os aspectos, pois colide com cinco realidades duras", afirma Amin Nasser

Amin Nasser: "Uma reinicialização da estratégia de transição é urgentemente necessária" (AFP Photo)

Amin Nasser: "Uma reinicialização da estratégia de transição é urgentemente necessária" (AFP Photo)

Publicado em 19 de março de 2024 às 09h58.

Última atualização em 19 de março de 2024 às 12h14.

O CEO da Saudi Aramco, Amin Nasser, disse na última segunda-feira, 18, que a transição energética está fracassando e os formuladores de políticas deveriam abandonar a "fantasia" de eliminar petróleo e gás, já que a demanda por combustíveis fósseis deve continuar a crescer nos próximos anos.

"No mundo real, a estratégia atual de transição está visivelmente fracassando em quase todos os aspectos, pois colide com cinco realidades duras", disse Nasser durante uma entrevista em painel na conferência de energia CERAWeek by S&P Global em Houston, Texas.

"Uma reinicialização da estratégia de transição é urgentemente necessária e minha proposta é esta: devemos abandonar a fantasia de eliminar óleo e gás e, em vez disso, investir neles adequadamente, refletindo pressuposições de demanda realistas", disse o CEO.

A Agência Internacional de Energia com sede em Paris previu no ano passado que o pico da demanda por petróleo, gás e carvão ocorreria em 2030. Nasser disse que a demanda provavelmente não atingirá o pico tão cedo. Nasser sugeriu que a AIE está se concentrando na demanda nos EUA e na Europa e precisa se concentrar também no mundo em desenvolvimento.

Leia também: Petróleo sobe e tem maior nível em 4 meses, com alta em projeção de demanda

Nasser disse que as fontes de energia alternativas não conseguiram substituir os hidrocarbonetos em escala, apesar do mundo ter investido mais de US$ 9,5 trilhões nas últimas duas décadas. Ventos e sol atualmente fornecem menos de 4% da energia mundial, enquanto a penetração total de veículos elétricos é inferior a 3%, disse ele.

Enquanto isso, a participação dos hidrocarbonetos na mistura energética global mal caiu no século XXI, de 83% para 80%, disse Nasser. A demanda global aumentou em 100 milhões de barris equivalentes de petróleo por dia durante o mesmo período e alcançará uma alta histórica este ano, disse o CEO.

O gás cresceu 70% desde o início do século, disse Nasser. A transição do carvão para o gás é responsável por dois terços das reduções nas emissões de carbono nos EUA, disse ele.

"Esta é dificilmente a imagem futura que alguns têm pintado", disse Nasser. "Até mesmo eles estão começando a reconhecer a importância da segurança de óleo e gás."

Enquanto isso, as nações em desenvolvimento do sul global impulsionarão a demanda por petróleo e gás à medida que a prosperidade aumentar nesses países, que representam mais de 85% da população mundial, disse o CEO. Essas nações recebem menos de 5% do investimento destinado à energia renovável, disse ele.

Nasser disse que o mundo deveria se concentrar mais na redução de emissões de óleo e gás, além de energias renováveis. "Devemos introduzir gradualmente novas fontes de energia e tecnologias quando estiverem verdadeiramente prontas, economicamente competitivas e com a infraestrutura correta", disse Nasser.

Acompanhe tudo sobre:Saudi AramcoPetróleoEnergiaEnergia renovável

Mais de ESG

Perto do Círculo Polar Ártico, autoridades alertam para calor intenso

Enchente no RS: mancha escura de sedimentos chega ao oceano

'A crise climática nos destruirá'

Qual a importância das usinas hidrelétricas nos dias de hoje? Especialistas respondem

Mais na Exame