ESG

Tesla planeja incluir reciclagem de componentes em fábrica de Xangai

A China, o maior mercado automotivo do mundo, teve vendas de mais de 1,3 milhão de veículos elétricos e híbridos no ano passado

Tesla: o documento afirma que a companhia adicionará na fábrica chinesa capacidade de produção para estruturas de automóveis e controladores de motores elétricos (TPG/Getty Images)

Tesla: o documento afirma que a companhia adicionará na fábrica chinesa capacidade de produção para estruturas de automóveis e controladores de motores elétricos (TPG/Getty Images)

R

Reuters

Publicado em 26 de abril de 2021 às 13h39.

A Tesla planeja incluir equipamentos em sua fábrica de Xangai para reparar e reciclar componentes importantes de seus veículos, como motores elétricos e células de bateria, informou a montadora norte-americana em documentos enviados às autoridades de Xangai.

  • Fique por dentro das principais tendências das empresas ESG. Assine a EXAME.

A China, o maior mercado automotivo do mundo, teve vendas de mais de 1,3 milhão de veículos elétricos e híbridos no ano passado. As autoridades reguladoras do país agora estão adicionando regras sobre a reciclagem de importantes componentes destes veículos para economizar materiais e proteger o meio ambiente.

O documento afirma que a companhia adicionará na fábrica chinesa capacidade de produção para estruturas de automóveis e controladores de motores elétricos.

A empresa vendeu mais de 35 mil veículos fabricados localmente no mês passado na China e está exportando carros montados no país para a Europa.

Acompanhe tudo sobre:CarrosChinaMontadorasReciclagemSustentabilidadeTeslaVeículosXangai

Mais de ESG

Vale prevê que vendas de minério e aglomerados ao Oriente Médio podem chegar a 67 milhões de t

BID quer lançar 'bonds amazônicos' no segundo semestre, diz Ilan Goldfajn, presidente do banco

Tambaqui Tanque: inspirado no Shark Tank, programa seleciona projetos de empreendedores na Amazônia

BID traz ao Brasil 44 especialistas para avaliar perdas no RS e investe R$ 5,5 bi em reconstrução

Mais na Exame