ESG

Sustentabilidade e diversidade estão relacionadas à maior lucratividade, aponta Bain e EcoVadis

O estudo avaliou como iniciativas e resultados ESG impactaram 100 mil empresas - 80% delas privadas

A pesquisa revela que vários aspectos das iniciativas ESG (10'000 Hours/Getty Images)

A pesquisa revela que vários aspectos das iniciativas ESG (10'000 Hours/Getty Images)

Marina Filippe
Marina Filippe

Repórter de ESG

Publicado em 29 de abril de 2023 às 11h22.

Última atualização em 12 de junho de 2023 às 17h52.

O estudo Iniciativas ESG Geram Valor?, realizado pela Bain em parceria com a EcoVadis, indica que as atividades referentes às práticas de sustentabilidade, diversidade e satisfação dos colaboradores estão relacionadas à maior lucratividade financeira e ao crescimento para empresas privadas. O estudo avaliou como iniciativas e resultados ESG impactaram 100 mil empresas - 80% delas privadas.

“A pesquisa traz perspectivas relevantes para o debate sobre como as atividades ESG interferem no desempenho financeiro. Ela mostra que resultados positivos em ESG são uma característica das empresas de sucesso”, afirma Daniela Carbinatto, sócia da Bain & Company.

A pesquisa revela que vários aspectos das iniciativas ESG indicados nos scorecards da EcoVadis – como a implementação de práticas para reduzir o carbono e melhorar diversidade, equidade e inclusão (DE&I), e a adoção da sustentabilidade nos processos de gestão e na cadeia de suprimentos – mostram uma correlação entre resultados ESG e desempenho financeiro. Adicionalmente, indicam que, além de beneficiar o planeta e a sociedade, as atividades ESG estão associadas a um crescimento mais forte da receita e margens EBITDA mais altas.

Os 4 pontos abaixo confirmam a correlação entre ESG e desempenho financeiro:

  1. Empresas com mais mulheres no time de executivos têm melhores resultados financeiros. As companhias que se classificam entre as 25% melhores de seu setor em diversidade de gênero na equipe executiva têm crescimento de receita anual de cerca de 2 pontos percentuais acima dos 25% de instituições com menos executivas, cujas margens de lucro EBITDA também são 3 pontos percentuais mais baixos;
  2. O uso de energia renovável está relacionado às margens EBITDA mais altas em indústrias intensivas em carbono. Nos setores de recursos naturais, transporte e produção industriais, as empresas que usam mais energia renovável têm margens EBITDA maiores;
  3. Companhias que focam em práticas éticas, ambientais e trabalhistas em suas cadeias de suprimentos são mais lucrativas. Elas têm margens de 3 a 4 pontos percentuais acima daquelas que não focam nas credenciais ESG de seus fornecedores.
  4. Empresas que lideram as iniciativas ESG têm maior satisfação dos funcionários; e aquelas que contam com colaboradores mais satisfeitos crescem mais rápido e são mais lucrativas. Elas têm crescimento de receita de três anos até 5 pontos percentuais acima das organizações com funcionários menos satisfeitos e margens até 6 pontos percentuais maiores do que as retardatárias. Além do básico, que inclui remuneração justa e garantia de um ambiente de trabalho seguro, os benefícios podem incluir treinamento profissional, saúde mental e física, creche e oportunidades educacionais, que aumentam a satisfação do colaborador e, como consequência, a produtividade e a retenção.

As descobertas da pesquisa podem motivar as organizações em todos os níveis de maturidade ESG a redobrar seus investimentos na aceleração de sua jornada de sustentabilidade. Ao entender em que ponto da jornada está uma empresa, gestores e investidores podem usar materialidade, avaliações e benchmarking para identificar seus objetivos com base no trabalho das companhias líderes em ESG de seu setor - de definir o que é necessário para superá-las.

As empresas que ainda estão nos primeiros passos desse caminho podem desenvolver sistemas de gestão de ESG com políticas, planos de ação e relatórios. Já aquelas mais adiantadas têm a chance de buscar recursos mais avançados, como gerenciamento de recursos regenerativos e circularidade de produtos, bem como disseminar as iniciativas em toda sua cadeia de valor, incluindo as emissões do Escopo 3. É um trabalho complexo que, diante dos benefícios para o meio ambiente, para pessoas e as companhias, vale a pena investir

Acompanhe tudo sobre:SustentabilidadeDiversidadePrêmio Mulheres do Agro

Mais de ESG

Do plantio à venda, negócio com café tem negros no protagonismo e busca reparação histórica

Natura ativou protocolo de desastres por eventos climáticos mais de 20 vezes em quatro anos

Uma herança chamada África: IFC20 chega na África Central

Itaipu completa 40 anos de operação

Mais na Exame