Acompanhe:

Restauração florestal da Mata Atlântica pode aumentar a produção de café em até 30%, segundo a USP

Resultado pode ajudar a aumentar escala de reflorestamento em biomas brasileiros, como Mata Atlântica, Cerrado e Amazônia. Incremento é suficiente para compensar o custo do reflorestamento

Modo escuro

Continua após a publicidade
USP: Pesquisa aponta que restauração e vendas de carbono podem gerar lucro aos produtores (Leandro Fonseca/Exame)

USP: Pesquisa aponta que restauração e vendas de carbono podem gerar lucro aos produtores (Leandro Fonseca/Exame)

Além de ser benéfica para a preservação do clima e da biodiversidade, a restauração florestal pode trazer melhorias econômicas. A descoberta é de um grupo de pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP), que identificou que técnicas de reflorestamento como a polinização resultam em um aumento na produtividade de plantações de café na Mata Atlântica — incremento suficiente para compensar os custos da restauração.

A pesquisa testou cenários e comprovou que cultivos próximos a matas, que atraem a ação de abelhas polinizadoras, podem ter um acréscimo de 10% a 30% na produção. Dessa forma, os gastos com a restauração da vegetação seriam zerados ao longo de 20 anos.

Com a potencial venda de créditos de carbono provenientes da área restaurada, o produtor passaria a ter lucro com a restauração: considerando uma média de US$ 5 por tonelada de carbono, todos os cenários testados pelos pesquisadores obteriam lucro.

Jean-Paul Metzger, professor do departamento de Ecologia da USP, aponta que o passivo ambiental do Brasil, que é a área mal utilizada que precisa ser restaurada por lei, é de quase 13 milhões de hectares. Os custos para recuperar esses espaços são altos. “Se a gente pensar num custo de restauração da Mata Atlântica, gira de 700 dólares por hectare a cada ano. Mas você precisa intervir, plantar mudas, retirar as daninhas. Fazer esse manejo pode subir o custo para mais de 5 mil dólares por hectare por ano”, contou.

Boa parte desse gasto com a recuperação dos espaços cai atualmente nos ombros dos produtores, que em grande maioria, não conseguem custear a restauração. A descoberta pode ajudar a formular políticas públicas para adotar a restauração de paisagens agrícolas em maior escala, método que auxilia a mitigação das mudanças climáticas e a conservação da biodiversidade do bioma.

Segundo Metzger, o estudo ainda indica que outros cultivos podem ter sucesso com o mesmo modelo de restauração, como plantações de frutas e sementes, além de eucalipto e a soja, mercado no qual o Brasil é líder mundial. Além disso, biomas além da Mata Atlântica também podem ser beneficiados da aplicação, como o Cerrado e a Amazônia.

No Brasil, que já conta com a Lei de Proteção da Vegetação Nativa – código que determina a proteção da floresta existente e a restauração de áreas indevidamente utilizadas -, os resultados da pesquisa são animadores por serem um complemento ao cumprimento da lei. Para o ecologista, apresentar os benefícios financeiros da conservação das florestas ajuda a diminuir a resistência contra programas de restauração.

O pesquisador ainda apontou que o resultado do estudo pode ajudar o Brasil a atingir as metas internacionais de restauração florestal, como as da Década de Restauração de Ecossistemas da ONU de 2021 a 2030, além de ajudar a diminuir as mudanças climáticas. “A forma mais efetiva de capturar carbono e reverter os processos de acúmulos de gases de efeito estufa é com a restauração ambiental, que no clima brasileiro é extremamente aplicável”, afirmou.

Além de Metzger, o estudo é assinado por Francisco d'Albertas, doutor em Ecologia pela USP; Gerd Sparovek, coordenador do Geolab (Esalq-USP); Luís Fernando Guedes Pinto, diretor-executivo da Fundação SOS Mata Atlântica e Camila Hohlenwerger, doutora em Ecologia pela USP.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Dia Mundial do Café: celebre combinando pratos e cápsulas Nespresso no brunch do Must Restaurant
Casual

Dia Mundial do Café: celebre combinando pratos e cápsulas Nespresso no brunch do Must Restaurant

Há 11 horas

ENTREVISTA: Os planos do Pará para atrair investimentos com a COP30
Exame IN

ENTREVISTA: Os planos do Pará para atrair investimentos com a COP30

Há 12 horas

Pacheco pode pautar marco do mercado de carbono neste mês, diz Padilha
ESG

Pacheco pode pautar marco do mercado de carbono neste mês, diz Padilha

Há um dia

Três lugares para aproveitar um brunch no Itaim Bibi
Casual

Três lugares para aproveitar um brunch no Itaim Bibi

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais