ESG

Pescadores em SP ganham até R$ 600 pela coleta de lixo no mar

Na Conferência dos Oceanos, da Onu, Rodrigo Levkovicz, diretor da Fundação Florestal-SP, divulgar iniciativa que remunera pescadores pela retirada de lixo do mar; entenda

Governo de São Paulo paga pescadores pela retirada do lixo do mar (David Malan/Getty Images)

Governo de São Paulo paga pescadores pela retirada do lixo do mar (David Malan/Getty Images)

Marina Filippe

Marina Filippe

Publicado em 1 de julho de 2022 às 08h20.

Última atualização em 1 de julho de 2022 às 08h22.

*De Lisboa, Portugal.

O desafio do lixo no mar é tão grave que pescadores de camarão do litoral de São Paulo têm coletado resíduos junto ao crustáceo. Para mitigar o problema, a Fundação Florestal (FF), ligada à Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente do estado de São Paulo, lançou o projeto Pagamento por Serviços Ambientais (PSA) Mar Sem Lixo. Uma iniciativa que pode servir de exemplo para outros países, e que tem sido compartilhada na Conferência dos Oceanos, da Organização das Nações Unidas (ONU), em Lisboa.

Receba gratuitamente a newsletter da EXAME sobre ESG. Inscreva-se aqui

"Percebemos que os problemas são os mesmos e as soluções estão aí. Tivemos uma conversa boa com o governo de Portugal para a gestão de áreas protegidas e com o governo de Moçambique, que também tem problemas de ordenamento sustentável da pesca e do lixo no mar. A ideia é que a gente possa avançar nas parcerias", disse Rodrigo Levkovicz, diretor executivo da Fundação Florestal-SP à EXAME.

De acordo com ele, desde abril o projeto remunera pescadores com vales alimentação de 100 a 600 reais em Ubatuba, Cananéia e Itanhaém. "Quando eles jogam a rede no fundo do mar vem o camarão e o lixo. Alguns pescadores já traziam o lixo e deixavam em postos de coleta, e outros não. Agora, todos são incentivados pelo pagamento".

Esta é uma iniciativa que engloba também prefeituras minuicipais para destinar o lixo adequadamente, além de catadores de lixo e cooperativas de reciclagem.

O mérito do projeto é dar visibilidade ao problema e tentar conscientizar de que o lixo vem, especialmente, das áreas urbanas.  Segundo um estudo inédito encomendado pelo Blue Keepers, projeto ligado à Plataforma de Ação pela Água e Oceano do Pacto Global da ONU no Brasil, aponta que cada brasileiro pode ser responsável por poluir os mares com 16kg de plásticos por ano. Isto é 3,44 milhões de toneladas do material no meio ambiente, ou ainda 1/3 do plástico produzido no país com risco de chegar ao oceano.

"A Conferência dos Oceanos mostra como os problemas são comuns e as soluções devem ganhar escala. Começamos o projeto com verba pública, mas estamos prospectando empresas para patrocinar a iniciativa e alcançar mais regiões", afirma Levkovicz.

Leia também

Acompanhe tudo sobre:Conferência dos Oceanos 2022Estado de São PauloLixoOceanosPesca

Mais de ESG

Peixe amazônico, introduzido em reservatório paulista, vira predador de espécies nativas

Summit ESG: como os agentes financeiros vão destravar os recursos para uma economia limpa

Posso deixar 100% dos meus bens para quem eu quiser em um testamento?

Quanto rende R$ 50 mil na poupança? E em outros investimentos?

Mais na Exame