ESG

O que os gasodutos, fogões e vacas têm a ver com os altos níveis metano no planeta?

Segundo agência internacional, a redução das emissões em 75% custaria cerca de US$ 170 bilhões, menos de 5% da receita da indústria dos combustíveis fósseis em 2023

Meta: emissões de metano estão muito longe dos 75% de redução necessários até 2030 para manter o limite de aquecimento do planeta em 1,5°C (AFP/AFP Photo)

Meta: emissões de metano estão muito longe dos 75% de redução necessários até 2030 para manter o limite de aquecimento do planeta em 1,5°C (AFP/AFP Photo)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 13 de março de 2024 às 12h21.

As emissões de metano procedentes dos combustíveis fósseis permaneceram em níveis próximos dos recordes em 2023, afirma a análise publicada nesta quarta-feira, 13, pela Agência Internacional de Energia (AIE).

A produção de energia vinculada ao petróleo, gás e carvão "gerou quase 120 milhões de toneladas de emissões de metano em 2023, um pouco acima do resultado 2022", mas "espera-se que diminuam em breve", afirma o relatório "Global Methane Tracker 2024", que monitora as emissões em todo o mundo.

A redução seria motivada pelas mudanças iniciadas no setor e pelos compromissos assumidos na última conferência internacional sobre o clima (COP28). "Dez milhões de toneladas adicionais procedem da bioenergia", como o uso de madeira para cozinhar, aponta a AIE.

O papel do metano

O metano, segundo gás de efeito estufa (GEE) mais importante, depois do CO2, é a molécula do gás natural que escapa dos gasodutos, das minas de carvão e dos fogões, mas também das vacas, dos campos de arroz ou dos resíduos.

Quase 580 milhões de toneladas de metano são emitidas a cada ano, das quais 60% são atribuíveis à atividade humana (principalmente a agricultura) e quase um terço às áreas úmidas naturais.

O metano é muito mais potente que o CO2, mas sua vida útil é consideravelmente mais curta (quase uma década). Os cientistas indicam que é responsável por aproximadamente 30% do aquecimento global desde a Revolução Industrial.

Acordo de Paris

As emissões de metano da indústria de combustíveis fósseis permanecem próximas do recorde de 2019 e estão muito longe dos 75% de redução necessários até 2030 para manter o limite de aquecimento do planeta em 1,5°C, como estabelecido pelo Acordo de Paris. "Não há motivo para que estas emissões continuem tão elevadas", criticou Tim Gould, economista-chefe da AIE.

Em 2023, "quase 40% poderiam ter sido evitados sem custo líquido, pois o valor do metano capturado e comercializado é superior aos gastos para impedir os vazamentos", explica a AIE.

Reduzir estas emissões em 75% custaria "cerca de US$ 170 bilhões (R$ 844 bilhões), menos de 5% da receita da indústria dos combustíveis fósseis em 2023", acrescenta a agência.

Quase dois terços do metano emitido pela indústria de combustíveis fósseis "procedem de apenas 10 países", destacou Christophe McGlade, especialista em energia da AIE.

A China é "de longe" o maior emissor de metano procedente do carvão e os Estados Unidos no caso do petróleo e do gás, seguidos de perto pela Rússia.

2024, um ponto de inflexão?

Entre as "tendências preocupantes", Christophe McGlade menciona os grandes vazamentos detectados por satélite, que "aumentaram mais de 50% na comparação com 2022", representando 5 milhões de toneladas adicionais. Um deles, gigantesco, no Cazaquistão, durou quase 200 dias.

Apesar do cenário, a AIE mantém o otimismo: "as políticas e regulamentações importantes anunciadas nos últimos meses, assim como os novos compromissos assumidos na reunião de cúpula do clima COP28 no Dubai, podem provocar em breve a redução", afirma a instituição.

Na COP28, 52 empresas de petróleo e gás se comprometeram a adotar uma política de "metano quase zero" em suas operações até 2030, mas a promessa foi recebida com ceticismo.

Mais de 150 países, incluindo o Azerbaijão, anfitrião da COP29, também aderiram à iniciativa "Global Methane Pledge", que tem como objetivo reduzir em 30% as emissões entre 2020 e 2030.

"Se todas as promessas forem cumpridas com perfeição e dentro do prazo, reduzirão as emissões em cerca de 50% até 2030", afirmou Christophe McGlade. Os novos compromissos, no entanto, "ainda não foram respaldados por planos detalhados", segundo o analista.

Acompanhe tudo sobre:Energia renovávelCarvãoEmissões de CO2Mudanças climáticas

Mais de ESG

Desastres naturais impactam as finanças de um em cada cinco adultos nos EUA

Com aporte de R$ 10,2 mi da JBS, projeto lança CRA para escalar pecuária regenerativa

Gases de efeito estufa contaminam os oceanos, diz tribunal da ONU a favor de 9 Estados insulares

"Se o mercúrio gerado na Amazônia está chegando ao Ártico, está conseguindo chegar em todo Brasil"

Mais na Exame