Acompanhe:

O que a COP28 tem a ver com o feijão de Seu Justino

Da agricultura ao e-commerce, população do Amazonas sente no bolso e na torneira de casa os efeitos das mudanças climáticas, discutidos em Dubai

Modo escuro

Continua após a publicidade
Com a estiagem severa, até quem tinha água na porta de casa sofre com a baixa dos rios (Michael Dantas/Getty Images)

Com a estiagem severa, até quem tinha água na porta de casa sofre com a baixa dos rios (Michael Dantas/Getty Images)

Publicado em 30 de novembro de 2023 às, 16h25.

A vagem que Justino Lira colheu em sua terra próxima ao rio Amazonas tinha aparência anêmica. A seca deste ano estragou quase todos os seus pés de feijão, repolho, milho, mandioca e quiabo. “Nunca vi nada parecido”, disse Lira, de 63 anos.

Normalmente ele pedia ajuda aos netos para colher e, duas vezes por semana, carregava seu barco para atravessar o rio até a cidade de Manacapuru, para vender os produtos a uma rede de supermercados local, ganhando cerca de R$ 1.200 por mês para complementar sua aposentadoria de professor.

Mas a área em frente à sua casa se transformou em uma paisagem árida, e no início de novembro, ele estava sem água corrente havia um mês. Em seu vilarejo de cerca de 170 famílias, outras pessoas partiram em busca de empregos temporários na cidade à medida que a pesca e a agricultura familiar secaram.

Todos nesta parte do Brasil que dependem do rio Amazonas e seus afluentes para ganhar a vida – desde pequenos agricultores como Lira até proprietários de restaurantes ribeirinhos e líderes de empresas multinacionais – sofrem com a pior seca da história da região. É outro fator de estresse para a já frágil saúde da floresta amazônica, um baluarte crucial contra as alterações climáticas.

Trata-se do Brasil real que, assim como outras regiões distantes do planeta, sofre com os efeitos das mudanças climáticas - tema central da COP28, em Dubai, que começou nesta quinta-feira, 30.

​Os especialistas culpam uma combinação do El Niño com o aquecimento do Oceano Atlântico, provavelmente agravado pela crise climática. Eles afirmam que as secas severas na Amazônia e outros eventos climáticos extremos — como as inundações recordes de 2021 — provavelmente se intensificarão à medida que as temperaturas globais aumentarem.

“O que as projeções mostram é que é mais provável que ocorram eventos climáticos extremos na Amazônia, especialmente secas extremas”, disse Erika Berenguer, cientista climática e pesquisadora associada sênior na Universidade de Oxford.

Na COP28, a ciência confirma tragédia

No dia da abertura dos trabalhos da COP28,o relatório preliminar do Estado Global do Clima, divulgado pela Organização Meteorológica Mundial (OMM), ligada à ONU, mostrou que os dados colhidos até o fim de outubro apontam para o ano mais quente da história. O aumento da temperatura foi cerca de 1,40°C (com uma margem de incerteza de ±0,12°C) acima da linha de base pré-industrial de 1850-1900.

Dados da agência, ligada à Organização das Nações Unidas (ONU), compilados até ao final de outubro, mostram que o ano foi cerca de 1,40°C (com uma margem de incerteza de ±0,12°C) acima da linha de base pré-industrial de 1850-1900.

No caso do Brasil, a seca afetou diretamente cerca de 600.000 pessoas apenas no estado do Amazonas, onde vive Lira, e todos os seus 62 municípios declararam estado de emergência. Quase quatro vezes o tamanho da Califórnia, o Amazonas cobre uma área de 1,6 milhão de quilômetros quadrados, grande parte dos quais acessível só por avião ou barco.

Lailton Dias da Silva, de 48 anos, que mora a cerca de 220 quilômetros de Lira, na Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Rio Madeira, disse à Bloomberg Green que as 44 comunidades que compõem a reserva sofrem um duplo golpe com a baixa produção e dificuldades para os barcos realizarem o transporte. “Isso causou um desequilíbrio total na nossa agricultura familiar”, conta.

"Será assim todos os anos?"

Outro morador afetado é Darli Leão, de 50 anos, dono de um bar e restaurante flutuante no lago Puraquequara, perto de Manaus. Agora o estabelecimento fica em lodaçais onde o lago secou. Ele diz ter sido forçado a demitir seis funcionários e contrair dívidas de R$ 10 mil por falta de clientes. “Nunca imaginei algo assim”, disse ele, lembrando que durante a forte seca de 2010 ainda tinha movimentação. “A preocupação agora é: será assim todos os anos?”

No mercado de peixe, os pescadores falam das dificuldades causadas pela seca – mais tempo passado no rio devido às dificuldades de navegação, o que por sua vez aumenta o risco do peixe estragar e aumenta os custos. “Os custos do combustível, do gelo, de tudo, subiram”, disse José Pereira, de 62 anos, que se disse obrigado a repassar os custos extras aos consumidores.

​​​As empresas também estão sentindo o impacto. A transportadora Bemol é frequentemente apelidada de “a Amazon da Amazônia” por sua capacidade de entregar artigos que as pessoas encomendam de seus celulares em cidades remotas do interior. O diretor-presidente Denis Minev estava apreensivo em relação ao período da Black Friday, época mais importante do ano para o varejo, que no Brasil dura todo o mês de novembro.

No porto dos Super Terminais, em Manaus, guindastes elétricos novos movidos a energia solar ficaram parados por causa da seca. Grandes navios que transportavam milhares de contêineres não conseguiram atracar durante semanas devido aos baixos níveis de água, forçando as empresas a utilizar barcaças que transportam apenas 10% da carga que os navios transportam.

​​​Minev disse que houve um aumento enorme dos custos. As empresas foram forçadas a contratar serviços caros de transporte por caminhão para entregar mercadorias ao longo da BR-319, que não é asfaltada.

Com a seca, alguns fabricantes da Zona Franca de Manaus decretaram “férias coletivas” antecipadas. Um deles, a Samsung, disse: “Operaremos nosso programa de produção com flexibilidade para responder a qualquer necessidade e minimizar o impacto”.

Sergio Mendes, diretor-geral da Associação Nacional dos Exportadores de Cereais, disse que o Brasil ainda caminha para exportar um volume recorde de soja e milho. “Há dificuldades”, disse ele. “Mas nada que não tivesse sido previsto antecipadamente pelas tradings.”​

Perto do fim?

A seca começou no início de setembro e cientistas climáticos esperam que dure até ao início de dezembro. A estação chuvosa geralmente começa no final de outubro ou início de novembro.

Os dados da OMM não são animadores. O aquecimento provocado pelo fenômeno El Niño, iniciado durante a primavera do Hemisfério Norte de 2023, se desenvolveu rapidamente durante o verão. A previsão é de um calor maior em 2024, já que o fenômeno costuma ter um maior impacto nas temperaturas globais após atingir o seu pico.

“As mudanças climáticas já são uma realidade para essas comunidades”, disse Valcléia Solidade, superintendente de desenvolvimento comunitário da Fundação Amazônia Sustentável. “Mas ninguém quer pagar a conta de investir em estruturas que reduzam os impactos que estão sentindo hoje.”

Uma seca mais longa que a deste ano, de 4 ou 5 meses, sufocaria a indústria, analisa Corrêa. “A partir de agora teremos de dragar os rios todos os anos, antes da época de seca, para evitar que tudo pare.”

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Empresas têm política, mas não têm orçamento para Direitos Humanos, aponta KPMG
ESG

Empresas têm política, mas não têm orçamento para Direitos Humanos, aponta KPMG

Há 3 horas

Criado na pandemia, Mundo Social, do Magalu, cresce e gera renda para grupos minorizados e ONGs
ESG

Criado na pandemia, Mundo Social, do Magalu, cresce e gera renda para grupos minorizados e ONGs

Há 7 horas

Hyundai promete US$ 1,1 bi no Brasil e mira em híbrido, elétrico e hidrogênio verde
ESG

Hyundai promete US$ 1,1 bi no Brasil e mira em híbrido, elétrico e hidrogênio verde

Há 20 horas

Melhores do ESG: inscrições estão abertas; interessados podem baixar o questionário em PDF
ESG

Melhores do ESG: inscrições estão abertas; interessados podem baixar o questionário em PDF

Há 21 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais