• AALR3 R$ 20,07 -0.64
  • AAPL34 R$ 68,92 3.20
  • ABCB4 R$ 16,74 0.30
  • ABEV3 R$ 14,10 0.57
  • AERI3 R$ 3,85 5.77
  • AESB3 R$ 10,95 2.34
  • AGRO3 R$ 30,96 0.72
  • ALPA4 R$ 20,80 1.66
  • ALSO3 R$ 19,47 2.42
  • ALUP11 R$ 27,24 1.64
  • AMAR3 R$ 2,48 2.90
  • AMBP3 R$ 31,15 3.66
  • AMER3 R$ 24,11 2.73
  • AMZO34 R$ 66,30 -0.51
  • ANIM3 R$ 5,55 1.83
  • ARZZ3 R$ 79,40 -2.41
  • ASAI3 R$ 16,00 0.25
  • AZUL4 R$ 21,94 3.98
  • B3SA3 R$ 12,15 0.91
  • BBAS3 R$ 38,56 4.22
  • AALR3 R$ 20,07 -0.64
  • AAPL34 R$ 68,92 3.20
  • ABCB4 R$ 16,74 0.30
  • ABEV3 R$ 14,10 0.57
  • AERI3 R$ 3,85 5.77
  • AESB3 R$ 10,95 2.34
  • AGRO3 R$ 30,96 0.72
  • ALPA4 R$ 20,80 1.66
  • ALSO3 R$ 19,47 2.42
  • ALUP11 R$ 27,24 1.64
  • AMAR3 R$ 2,48 2.90
  • AMBP3 R$ 31,15 3.66
  • AMER3 R$ 24,11 2.73
  • AMZO34 R$ 66,30 -0.51
  • ANIM3 R$ 5,55 1.83
  • ARZZ3 R$ 79,40 -2.41
  • ASAI3 R$ 16,00 0.25
  • AZUL4 R$ 21,94 3.98
  • B3SA3 R$ 12,15 0.91
  • BBAS3 R$ 38,56 4.22
Abra sua conta no BTG

O ESG importa para o consumidor brasileiro? A KPMG diz que sim

A sigla, que vem ganhando notoriedade no mercado financeiro, também influencia nas decisões de compras dos brasileiros, segundo a consultoria
A pesquisa ouviu 75 mil consumidores de 12 países entre maio e setembro do ano passado. Para um quarto deles, ao menos um fator ESG é importante e 16% consideram relevante o aspecto de consciência social das marcas (Divulgação/jcomp/freepik)
A pesquisa ouviu 75 mil consumidores de 12 países entre maio e setembro do ano passado. Para um quarto deles, ao menos um fator ESG é importante e 16% consideram relevante o aspecto de consciência social das marcas (Divulgação/jcomp/freepik)
Por Rodrigo CaetanoPublicado em 15/02/2021 09:00 | Última atualização em 01/04/2021 14:20Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Uma pesquisa global realizada pela consultoria KPMG mostra que o consumidor brasileiro se preocupa com os aspectos socioambientais e de governança das empresas, na hora de decidir por uma compra. Não somente isso, o brasileiro também é mais preocupado com o ESG do que cidadãos de outros países.

Você conhece as três letras que podem turbinar seus investimentos? Conheça a cobertura de ESG da EXAME Research

A pesquisa ouviu 75 mil consumidores de 12 países entre maio e setembro do ano passado. Para um quarto deles, ao menos um fator ESG é importante e 16% consideram relevante o aspecto de consciência social das marcas. É nesse grupo que os brasileiros se destacam. Entre 2019 e 2020, aumentou em 9% a presença de brasileiros entre os mais preocupados com os aspectos socioambientais das empresas.

O índice é o maior entre todos os países pesquisados. Apenas na China o porcentual também cresceu: 8%. “A relevância dos fatores ESG varia entre os mercados. No âmbito global, um em cada quatro consumidores considera que pelo menos um fator relacionado com ESG é importante na sua decisão de compra”, afirma Fernando Gambôa, sócio-líder de Consumo e Varejo da KPMG no Brasil e na América do Sul. “Além disso, os consumidores afirmam que os fatores de ESG se tornaram mais importantes desde a pandemia, mas ainda carregam preocupações concretas em relação a valor e segurança.”

Invista da melhor forma em empresas que se preocupam com sustentabilidade e o social com os relatórios e análises Exame Invest Pro!

Apesar dos avanços, Gambôa destaca que o caminho a percorrer ainda é longo. É um número que vem crescendo, mas ainda distante do custo-benefício, indicado por 63% dos consumidores, como importante na decisão de compra”, afirma.

ESG é foco dos conselhos

Em termos de estratégia, as empresas parecem já ter entendido o recado dos consumidores. Uma pesquisa do Global Network of Directors Institutes (GNDI), grupo que congrega 22 institutos de governança ao redor do mundo, aponta que os conselhos empresariais estão colocando o ESG como prioridade no cenário pós-pandemia.

Participaram da pesquisa 1.964 conselheiros de 17 institutos em todo o mundo. Foram 94 respondentes brasileiros, que participaram do estudo por intermédio do IBGC entre agosto e setembro de 2020.

Quando perguntados sobre os principais desafios enfrentados durante a crise da covid-19, quase metade dos respondentes globais (47,9%) disseram ser ajustar as estratégias da organização aos novos mercados e ambiente, enquanto 45,2% dos conselheiros afirmaram ser garantir a efetividade das decisões de governança que afetam os stakeholders.

Nesse cenário, o ESG passa a ser um elemento ainda mais relevante, segundo Pedro Melo, diretor-geral do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC). “Se levarmos em consideração que a atuação socioambiental de um conselho afeta as partes envolvidas, e os conselheiros estão naturalmente mais preocupados em garantir boas ações de governança para stakeholders, o ESG passa a ser elementar para a  continuidade de uma operação”, afirma.

Assine a newsletter Exame.ESG e descubra como a sustentabilidade empresarial impacta diretamente a performance de seus investimentos 

 

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.