Acompanhe:

Na COP28, Instituto Votorantim lança plataforma de análise de riscos climáticos em municípios

Instituto Votorantim, em parceria com a CBA e o Instituto Itaúsa, disponibiliza índice que analisa os possíveis riscos dos municípios a enchentes, alagamentos e outros desastres naturais

Modo escuro

Continua após a publicidade
Análise dos municípios: O Índice de Vulnerabilidade Climática dos Municípios faz parte da Ação Climática, ação do Instituto Votorantim (Paulo Pinto/Agência Brasil)

Análise dos municípios: O Índice de Vulnerabilidade Climática dos Municípios faz parte da Ação Climática, ação do Instituto Votorantim (Paulo Pinto/Agência Brasil)

A Conferência das Partes sobre Mudanças Climáticas, a COP28, em Dubai, é momento para que os países alinhem e planejem estratégias para lidar com as mudanças do clima. E também de reforçar participação da sociedade civil e das empresas no tema. Pensando nisto, o Instituto Votorantim, juntamente com a Companhia Brasileira de Alumínio (CBA) e o Instituto Itaúsa, lança a primeira versão do Índice de Vulnerabilidade Climática dos Municípios (IVCM) para apoiar a adaptação climática das cidades por meio de avaliação e classificação dos impactos das mudanças climáticas

“Garantir a prontidão dos municípios para lidar com os eventos climáticos extremos deve ser uma prioridade na agenda do clima. Mobilizar organizações do porte da CBA e do Instituto Itaúsa como parceiros dessa iniciativa é uma oportunidade de reiterar a importância do papel da iniciativa privada no enfrentamento do maior desafio do nosso tempo”, afirmou Natalia Cerri, coordenadora de inovação do Instituto Votorantim em entrevista à EXAME. A plataforma faz parte da Ação Climática, uma iniciativa do Instituto Votorantim, para preparar os locais para lidar com as mudanças climáticas. 

Domine a estratégia que se tornou obrigatória entre empresários e descubra como aplicar na sua empresa!

A iniciativa está alinhada com duas frentes da COP28: formular estratégias de adaptação climática e criar planos de trabalho para a mitigação climática. A ferramenta analisa seis riscos climáticos, sendo eles: alagamentos e enxurradas, deslizamentos, enchentes, inundações, queimadas, redução e inviabilização de setores da agropecuária, secas e aumento de problemas de saúde ligados ao clima. 

“A ferramenta está estruturada em duas dimensões: gestão de risco de desastres e adaptação à mudança do clima e resiliência. Em cada uma, o município responderá a diversas perguntas sobre as ações que já realiza para o enfrentamento das questões listadas. Ao final, é gerada uma avaliação da sua maturidade, organizada por competências, como por exemplo, políticas, instrumentos e marcos regulatórios; comunicação e transparência e produção, acesso, uso e aplicação de dados e informações”, disse Cerri. 

A plataforma também se propõe a identificar a vulnerabilidade dos grupos sociais por meio de dados secundários para medir as ameaças, ao mesmo tempo que considera a capacidade de resposta aos riscos climáticos, planos de contingência e investimentos direcionados. Outra frente que a IVCM atua é na comparação dos índices de vulnerabilidade entre diferentes municípios. 

“A intenção é que nossos resultados apoiem gestores públicos e tomadores de decisão a desenhar rotas de ação de maior prontidão no enfrentamento de crises relacionadas à mudança do clima. Apresentar a plataforma na COP28 representa a possibilidade de inspirar o setor privado e filantrópico global, a partir de uma experiência concreta sobre como promover a adaptação na esfera local, e conectar os governos locais do Brasil e do mundo à iniciativa. A preparação dos municípios é crucial para reduzir os impactos das mudanças do clima sobre populações, infraestruturas e negócios em todo o mundo para reduzir perdas humanas e financeiras”, afirmou Cerri

Leia também:

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Empresas têm política, mas não têm orçamento para Direitos Humanos, aponta KPMG
ESG

Empresas têm política, mas não têm orçamento para Direitos Humanos, aponta KPMG

Há 3 horas

Criado na pandemia, Mundo Social, do Magalu, cresce e gera renda para grupos minorizados e ONGs
ESG

Criado na pandemia, Mundo Social, do Magalu, cresce e gera renda para grupos minorizados e ONGs

Há 7 horas

Hyundai promete US$ 1,1 bi no Brasil e mira em híbrido, elétrico e hidrogênio verde
ESG

Hyundai promete US$ 1,1 bi no Brasil e mira em híbrido, elétrico e hidrogênio verde

Há 21 horas

Melhores do ESG: inscrições estão abertas; interessados podem baixar o questionário em PDF
ESG

Melhores do ESG: inscrições estão abertas; interessados podem baixar o questionário em PDF

Há 22 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais