Acompanhe:

Investir nos povos originários é ter uma economia baseada na sustentabilidade, diz Txai Suruí

COP27: a liderança indígena Txaí Suruí falou sobre a importância da integração entre povos originários, governos e empresas em prol das florestas, mitigação dos efeitos do clima e desenvolvimento econômico

Modo escuro

Continua após a publicidade
Txaí Surí, na COP27 (Leandro Fonseca/Exame)

Txaí Surí, na COP27 (Leandro Fonseca/Exame)

M
Marina Filippe

Publicado em 14 de novembro de 2022 às, 08h28.

Não se discute mudanças climáticas sem a sabedoria dos povos originários. Este é o grande recado das população indígenas na COP27, a Conferência das Partes, que ocorre no Egito até dia 18. Pensando nisto, a líder indígena Txaí Suruí, que representou o Brasil no discurso de abertura da COP no ano passado, segue com protagonismo e busca engajar também o setor privado.

"Precisamos que as empresas não só contratem mais mulheres, indígenas e negros porque necessitam de um olhar diverso para os negócios. É necessário que vejam meu povo, por exemplo, como um dos maiores produtores de café do Brasil. Investir nos povos originários é investir num plano econômico sólido e em um futuro sustentável", afirmou Txaí nesta segunda-feira, 14, em evento promovido pelo Pacto Global da ONU no Brasil na COP27.

A EXAME está na COP27, da ONU. Acesse a página especial e saiba tudo o que acontece no mais importante evento de mudanças climáticas, sustentabilidade e sociedade

Segundo ela, a produção sustentável de café é uma das inúmeras soluções dos povos originários. “Também atuamos com Soluções Florestais Agrícolas (SAF) para diferentes cultivos. Além disso, o povo Paité Suruí é o primeiro do Brasil a trabalhar com crédito de carbono [desde 2012] e tem o quarto maior projeto do mundo desenvolvido por povos originários nesta frente”.

Para Txaí, essa visão integrada é fundamental na proteção das florestas. "Os povos indígenas são os melhores defensores da floresta e têm as soluções para uma crise que não há mais tempo de fugir. Todos sabem dos riscos e sofrimentos que a população indígena, a que mais protege os biomas, têm no Brasil. Estamos passando por um governo de transição e só vamos conseguir bons resultados com a união de todos os setores”

Por fim, um reforço do recado para as empresas foi realizado no evento. “Não é possível proteger as florestas e o planeta se os povos não tiverem moradia, comida e trabalho. Estamos aqui para mostrar que não vamos resolver isto sozinhos, nem mesmo os governos vão, sem a ajuda do setor privado”.

Últimas Notícias

Ver mais
BNDES e GFANZ assinam acordo para financiar projetos de transição ambiental no Brasil
ESG

BNDES e GFANZ assinam acordo para financiar projetos de transição ambiental no Brasil

Há 15 horas

Custo das mudanças climáticas é de US$ 22 bi por ano, diz presidente do BID
ESG

Custo das mudanças climáticas é de US$ 22 bi por ano, diz presidente do BID

Há 15 horas

Energias renováveis movimentam R$ 50 bilhões em fusões e aquisições em 10 anos
ESG

Energias renováveis movimentam R$ 50 bilhões em fusões e aquisições em 10 anos

Há 20 horas

Fórum do G20 debate alternativas para financiamentos climáticos
ESG

Fórum do G20 debate alternativas para financiamentos climáticos

Há 22 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais