ESG

Empresa da Votorantim triplica capacidade de processamento de resíduos no Paraná

A Verdera é especializada na separação, transporte, recebimento, trituração e preparação de resíduos brutos até o coprocessamento do material em fornos de cimento

De um total de 3 milhões de resíduos coprocessados no Brasil em 2023, mais de 1 milhão de toneladas de resíduos passaram pela Verdera (JFilmes/Verdera/Divulgação)

De um total de 3 milhões de resíduos coprocessados no Brasil em 2023, mais de 1 milhão de toneladas de resíduos passaram pela Verdera (JFilmes/Verdera/Divulgação)

Paula Pacheco
Paula Pacheco

Jornalista

Publicado em 12 de abril de 2024 às 07h30.

A Verdera, unidade de gestão e destinação sustentável de resíduos da Votorantim Cimentos, acaba de inaugurar uma nova unidade de processamento em Itaperuçu, interior do Paraná, que vai permitir quase triplicar a atual capacidade instalada no estado - passando de 17 mil toneladas por ano para 48 mil toneladas anuais.

A unidade, com uma área de 4,4 mil metros quadrados, vai ser o destino de  resíduos que não podem ser reciclados e que serão preparados para destinação com a ajuda de tecnologia de coprocessamento.

Estrutura

Um triturador de resíduos de última geração, como informa a empresa, possibilita que a Verdera trate os materiais descartados e viabilize a destinação sustentável de novos tipos de materiais não recicláveis, tais como móveis, produtos paletizados e resíduos armazenados em tambores.

Também integram a nova estrutura um laboratório de análise e controle de resíduos, além de um sistema de prevenção contraincêndio, que detecta gases antes da formação da chama e realiza o combate automático com água pressurizada.

Em nota, Eduardo Porciuncula, gerente geral da Verdera, disse que a unidade amplia o apoio às indústrias, empresas e cidades do Paraná "na prática do conceito de economia circular ao dar um novo valor para os resíduos por meio de uma destinação ambientalmente correta e segura".

"Atualmente, diversos setores da economia já têm optado por esse tipo de destinação sustentável, como o agrícola, químico, alimentício, automobilístico, papel e celulose, assim como estabelecimentos comerciais e governos”, afirmou o executivo.

Coprocessamento

Por meio da técnica de coprocessamento, os resíduos processados na unidade de Itaperuçu serão transformados em energia limpa para produção de cimento na fábrica da empresa em Rio Branco do Sul, também no Paraná.

O coprocessamento permite a destinação adequada e ambientalmente correta para eliminação de resíduos, que são completamente eliminados nos fornos da indústria cimenteira. Segundo a empresa, neste caso não resta qualquer passivo ambiental devido às altas temperaturas inerentes ao processo de fabricação do cimento.

Transformados em energia, os resíduos não vão parar nos aterros sanitários. A Verdera trabalha com a a separação, transporte, recebimento, trituração e preparação de resíduos brutos até o coprocessamento  dos resíduos dentro dos fornos de cimento. Dos 3 milhões de toneladas de resíduos coprocessadas anualmente em território nacional, de acordo com o Panorama do Coprocessamento 2023, divulgado pela Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP), mais de 1 milhão de toneladas de resíduos foram processadas pela Verdera.

Acompanhe tudo sobre:infra-cidadãVotorantim CimentosLixoEconomia CircularParanáConstrução civil

Mais de ESG

Fórum global de favela desafia a lógica e valoriza a diversidade

Dia das Mães: apesar dos avanços, maternidade ainda é empecilho na carreira

Elas no front do Rio Grande do Sul

Precificação e a responsabilidade socioambiental do crédito de carbono

Mais na Exame