Acompanhe:

Com valor recorde de R$ 10,4 bilhões, Fundo Clima terá juros de 1% a 8% ao ano

Segundo a ministra Marina Silva, os recursos influenciarão no processo de mudança da matriz energética brasileira, na agricultura e nas cidades resilientes

Modo escuro

Continua após a publicidade
Pauta verde: documento assinado por Marina Silva, Lula e Mercadante prevê recursos para diferentes frentes (Ricardo Stuckert/Presidência da República/Divulgação)

Pauta verde: documento assinado por Marina Silva, Lula e Mercadante prevê recursos para diferentes frentes (Ricardo Stuckert/Presidência da República/Divulgação)

Foi assinado nesta segunda-feira, 1º, entre o Ministério do Meio Ambiente e Mudança do Clima (MMA) e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o contrato para a execução de R$ 10,4 bilhões pelo Fundo Nacional sobre Mudança do Clima, o Fundo Clima.

Este é o maior volume de recursos da história do fundo, criado em 2009. Até hoje, o fundo conta com uma carteira de contratos em vigor de R$ 2,5 bilhões.

"Saímos do volume de recursos de R$ 400 milhões [em média, por ano] para R$ 10 bilhões. Estes recursos com certeza farão a diferença no processo de mudança da nossa matriz energética, agricultura resiliente, cidades resilientes, com adaptação e outras agendas", destacou a ministra Marina Silva, em entrevista coletiva, em Brasília.

A carteira de R$ 10,4 bilhões foi constituída em 2023. No ano passado, o governo federal realizou, pela primeira vez, uma emissão de títulos públicos sustentáveis no mercado internacional, que rendeu cerca de US$ 2 bilhões.

O Fundo Clima foi criado para financiar projetos, estudos e empreendimentos dedicados à redução de emissões de gases de efeito estufa (GEE) e à adaptação aos efeitos da mudança do clima. São duas opções disponíveis: recursos nas modalidades reembolsável, administrados pelo BNDES, e não-reembolsável, operados pelo MMA.

O fundo atua nas seguintes áreas: desenvolvimento urbano resiliente e sustentável; indústria verde; logística de transporte, transporte coletivo e mobilidade verde; transição energética, florestas nativas e recursos hídricos e serviços e inovação verde.

Taxas diferenciadas

Segundo o BNDES, as taxas mais altas serão destinadas a projetos de geração de energia solar e eólica, que contam com um mercado mais maduro no Brasil, definidas em 8% ao ano. Nas demais modalidades de apoio o custo está definido em 6,15% ao ano. O valor mínimo está dimensionado em R$ 20 milhões e o máximo, em R$ 500 milhões por grupo econômico a cada 12 meses.

A taxa para restauro de florestas, por sua vez, será de 1% ao ano. As demais áreas - como financiamento para compra de ônibus elétricos, obras de resiliência para adaptação climática das cidades, descarbonização da indústria e agricultura - terão taxa de juros anual de 6,15%.

Os projetos na modalidade de Florestas Nativas e Recursos Hídricos terão um valor mínimo de financiamento em R$ 10 milhões e máximo de R$ 250 milhões por investidor, por ano (mesmo limitador aplicável aos projetos de Desenvolvimento Urbano).

No apoio indireto automático, o custo financeiro anual também vai de 6,15% e 8,00%. Nestas operações, a remuneração básica do BNDES para as micro, pequenas e médias empresas, com Receita Operacional Bruta (ROB) até R$ 90 milhões, é de 0,9% ao ano. Já para as empresas com ROB superior a R$ 90 milhões, é de 1,4%. O custo máximo do agente financeiro, segundo o BNDES, fica limitado a até 2,5% ao ano, para todos as operações. Nas operações indiretas, não há valor mínimo por projeto e o valor máximo é de R$ 150 milhões por cliente.­

Detalhamento

Não foi divulgado qual será o valor para cada segmento. A expectativa é de que o banco crie uma plataforma específica com informações sobre cada projeto contemplado, com informações como desembolsos e andamento da iniciativa. Veja o detalhamento feito até agora pelo BNDES:

Urbanização sustentável –A modalidade de Desenvolvimento Urbano Resiliente e Sustentável prevê apoiar investimentos que envolvem atividades de eficiência energética em prédios e iluminação públicos; tratamento de resíduos; estruturação e gestão de aterros sanitários e eliminação de lixões com geração e gestão de biogás; sistemas de tratamento biológico; reciclagem; parques e áreas verdes urbanas; preservação de nascentes e rios urbanos; requalificação urbana para populações em áreas de risco (favelas e periferias) e gestão de riscos de desastres.

Indústria -Investimentos na modalidade Indústria Verde abrangidos por máquinas e equipamentos eficientes; projetos de eficiência energética e adoção de combustíveis alternativos; conversão de biomassa em energia e produtos de alto valor agregado; soluções sustentáveis agropecuárias; fabricação de produtos da bioeconomia; e descarbonização.

Logística –Financiamento de investimentos em transporte coletivo de passageiros sobre trilhos; eletrificação de frotas de ônibus, inclusive escolar; infraestrutura cicloviária e para veículos elétricos; ônibus de corredores rápidos (BRTs); modernização de transportes ferroviários elétricos, aquaviários e hidroviários; fabricação de caminhões urbanos elétricos, híbridos ou a biocombustíveis; e trens elétricos intercidades.

Energia –Os investimentos em Transição Energética poderão acessar o financiamento do novo Fundo Clima quando envolverem geração solar, eólica e de novas fontes renováveis; conversão de biomassa, coprocessamento e resíduos em energia; armazenamento de energia; modernização de redes (smart grid);biocombustíveis; infraestrutura e cadeia produtiva do uso do hidrogênio com fontes renováveis; e desenvolvimento tecnológico.

Florestas –Previsão de financiamento de investimentos relativos ao manejo florestal sustentável; recomposição e manutenção de cobertura vegetal; revitalização de mananciais; pagamentos por serviços ambientais; cadeias produtivas da sociobiodiversidade; plantio de espécies nativas e sistemas agroflorestais; combate à desertificação; unidades de conservação; e apoio a cadeia de produtos madeireiros ou não madeireiros de espécies nativas. Para a modalidade de Serviços e Inovação Verdes, estão previstos apoio à formação em mudança do clima; gestão de emissões em saúde, turismo e outras atividades; inovação climática e consultorias em mudança climática.

Custo

A taxa de juros oferecida, de acordo com Aloizio Mercadante, presidente do BNDES, é equivalente à de um país com grau de investimento, com captação de recursos em dólar.

"Com uma diferença: quem pega financiamento não tem risco de câmbio porque a Fazenda garante essa taxa [por meio de um fundo garantidor contra risco cambial]. Então, é uma taxa muito competitiva e a demanda é muito forte. Vamos liberar com muita rapidez esses recursos", diz Mercadante.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Amaggi recebe primeira autorização para teste de biodiesel em embarcação fluvial
ESG

Amaggi recebe primeira autorização para teste de biodiesel em embarcação fluvial

Há 5 horas

Rota 2030: BNDES começa a receber projetos de descarbonização do setor automotivo
ESG

Rota 2030: BNDES começa a receber projetos de descarbonização do setor automotivo

Há 6 horas

Oceanos mais quentes levantam dúvida: subestimamos as mudanças climáticas?
ESG

Oceanos mais quentes levantam dúvida: subestimamos as mudanças climáticas?

Há 8 horas

Emissões de gases de efeito estufa do Japão caem e chegam ao menor nível desde 1990
ESG

Emissões de gases de efeito estufa do Japão caem e chegam ao menor nível desde 1990

Há 16 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais